"Você trabalha? Ou só da aula?"

Claudio Piotto

Professor Pesquisador, Mestre em Educação, Especialista em Planejamento Educacional e Docência do Ensino Superior, Historiador e Pedagogo. Entusiasta da Educação.

Ver artigos

Falta de conhecimento

Muitas vezes ouvimos a seguinte pergunta: Você trabalha ou somente dá aula? Típico de quem não sabe como é minha profissão de professor ou porque realmente não tem respeito por ela. Caso alguém conheça um professor que trabalhe somente sua carga horária por qual é contratado ou concursado, que avise. A Profissão de Professor requer qualidades e compromissos diferentes, trabalhos em atividades comemorativas nas escolas, correções e planejamentos em casa são atividades rotineiras. E por falar em dedicação, que orgulho em ser Professor quando vejo a superação nesse período da pandemia, aulas online, entrega de materiais para alunos sem acesso à internet, atendimento domiciliar, entrega de alimento para famílias carentes, quanto trabalho realizado! Alguém está ouvindo reclamações? Não! É vergonhoso ouvir críticas inverídicas sobre a atuação do Professor nesse momento. O que vemos é superação e dedicação que fazem a diferença na vida de muitos alunos. Parabéns Professor, você faz a diferença e seu trabalho é reconhecido, Obrigado!

Dia dos Estudantes

A comemoração do dia 11 de agosto no Brasil começou em 1927 para lembrar a criação das duas primeiras faculdades, a Faculdade de Direito de Olinda, em Pernambuco e a Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, em São Paulo, em 1827. Essa data, instituída por Dom Pedro I, ficou marcada para comemorar-se o dia do estudante. Pelo fato de as duas primeiras faculdades terem sido de Direito, também comemora-se na mesma data o dia do advogado.

Formação Profissional

A Educação Profissional no Brasil surgiu com as Escolas de Oficio, em 23 de setembro de 1909 por força do Decreto Presidencial 7.566, quando foram criadas as 19 “Escolas de Aprendizes Artífices”. Essas escolas tinham por objetivo possibilitar ascensão social através da Educação, pois oferecia uma formação profissional, dando sentido ao estudo por unir a educação obrigatória a uma profissão, ou seja, o aluno terminava seus estudos e saia com uma profissão. Em muitos países essa prática envolve a maioria das escolas, por entenderem que o período de formação do adolescente é o ideal para que ele tenha uma profissão antes de ingressar no ensino superior; a Alemanha é um exemplo. Diante da relevância da Educação e da sua grande importância na formação dos indivíduos para atuarem na sociedade, destaca-se também a função de inclusão desses cidadãos no processo produtivo. A chamada Educação Profissional, com a globalização e o aumento das populações marginalizadas, vem atraindo a atenção de órgãos governamentais, principalmente nos países em desenvolvimento. Neste sentido, a principal preocupação desse segmento da Educação é formar profissionais aptos a fornecerem uma mão de obra flexível, com capacidade de adequar-se às mudanças ocorridas no mundo do trabalho. Neste sentido ainda, diante da constatação de que o mercado de trabalho, com exceção de períodos de recessão, cresce constantemente, observa-se, no processo de industrialização, que muitos postos de trabalho não são preenchidos por falta de profissionais qualificados para a função. Além disso, a maioria dos jovens que conclui o Ensino Médio não ingressa em cursos superiores. No entanto, se considerado que o ensino técnico representa um caminho mais curto para o mercado de trabalho, ele também poderia ser um preparatório para o ingresso no ensino superior.

Caminho para Profissão

No Brasil a Educação Profissional tem como seu maior expoente o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAI), criado em 1942 através de um decreto presidencial, após a reforma Capanema, que na época criou o Ensino Industrial, Ensino Agrícola e Ensino Comercial, oferecendo ao o país a possibilidade de ampliação e expansão de formação profissional aos brasileiros. O SENAI construiu uma base sólida na formação profissional, onde a ideia de formação é muito próxima à ofertada em países como a Alemanha. A Educação profissionalizante se difere da Educação regular, pois aliado ao estudo regular o aluno tem uma formação profissional. O material apresentado para vocês hoje sobre a educação profissional faz parte da minha dissertação de mestrado.