Últimas colunas de Sônia Pillon

"Respeita o meu cabelo!" - O manifesto que uniu o país

Nascemos em um país miscigenado. A mistura de etnias compõe o colorido mosaico da cultura brasileira, que é única, inigualável. Porém, ainda há caminhos a serem percorridos nesse sentido.

Por Sônia Pillon

O poder do mkt e a "cultura do cancelamento"

Acredito que as pessoas devem ter uma segunda chance na vida, para refletir, mudar e evoluir. Massacrar e apedrejar "a odiada da vez" nas redes sociais, ou presencialmente, ameaçando os familiares, é uma atitude indigna.

Por Sônia Pillon

Dona Wilma se vacinou

Na luta pela preservação da vida, dados oficiais apontam que até o último sábado, em torno de 4.680 pessoas já haviam recebido a primeira dosagem vacinal. E que os grupos prioritários imunizados com a segunda dose somavam 1.188 indivíduos.

Por Sônia Pillon

A odiada da vez

O "pacote de maldades" que o Brasil está assistindo no reality show remete à "Malévola", ou às vilãs da ficção, como a Carminha, da "Avenida Brasil", ou a Odete  Roitman, de "Vale Tudo", com a diferença de que não se trata de uma novela.

Por Sônia Pillon

Os desafios da atividade jornalística

Ser jornalista exige dedicação, responsabilidade e coragem, pela exposição constante dos profissionais na busca pela notícia. A prática do Jornalismo registra uma época, tanto que é fonte obrigatória de consulta para historiadores e pesquisadores, no resgate de fatos históricos.

Por Sônia Pillon

A cultura dos "fura-fila" e a resistência às vacinas

Ao mesmo tempo em que criticamos os que passam na frente dos grupos prioritários, é preciso dar um voto de confiança aos cientistas que desenvolveram os imunizantes. É a esperança no enfrentamento à pademia.

Por Sônia Pillon

O rally das vacinas

É hora de valorizar a ciência, o esforço global de cientistas que, em tempo recorde, se uniram para pesquisar e trazer os imunizantes no combate à covid-19.

Por Sônia Pillon

Um Natal diferente para Papai Noel

Na noite de 24 de dezembro, do trono que mandou instalar na sala de casa, Papai Noel surgiu on-line, sorrindo com o clássico "Ho Ho Ho!", sacudindo o sino e distribuindo votos de  muita saúde, amor e partilha entre familiares e amigos. Pediu também que fossem solidários com as pessoas que estavam sozinhas, isoladas, e com os vulneráveis, nesse Natal tão desafiador para todos.

Por Sônia Pillon

João Alberto

A selvageria que ceifou a vida de João Alberto causou indignação e revolta no mundo inteiro. Remete  automaticamente à morte de George Floyd, nos Estados Unidos, que desencadeou o movimento "Vidas negras importam". E nem poderia ser diferente!

Por Sônia Pillon

As folhas do tempo

Naquela tarde, dava para ouvir os ventos uivando, sacudindo e arremessando as folhas. Ao ver o chão coberto pelas folhas secas, pensou nos ciclos da vida, e que o tempo de cada um é incerto.

Por Sônia Pillon

O retorno de Carlitos

Ele chegou com aquele jeito de sempre, girando a bengala com uma mão e coçando o bigodinho com a outra. Tudo estava tão diferente! Estranhou que todos usavam máscaras, mas seguiu caminhando pelo chão de fábrica...

Por Sônia Pillon

Ícones

É cada vez mais comum assistirmos comportamentos irresponsáveis de ícones da atualidade. Muitos ídolos se sentem acima da lei, inatingíveis, mas a Justiça deve sempre prevalecer.

Por Sônia Pillon

Um conto em preto e branco

Eu assistia toda a cena da janela do quarto, espiando pelo canto da cortina e com o coração aos pulos. A luz estava apagada e isso me protegia do fugitivo.

Por Sônia Pillon

As mais preciosas flores do reino

As irmãs Margarida, Violeta e Jasmim cresceram juntas e se tornaram muito unidas. O rei, que viu o coração amolecer com a chegada delas, decidiu contratar os mais renomados mestres para educá-las. Queria que elas aprendessem sobre todas as áreas do conhecimento.

Por Sônia Pillon

Onde estão as flores de dona Vicentina?

O muro está alto e não há nenhuma abertura visível para ver se sobrou alguma coisa das flores do passado. Tomo coragem e me dirijo a um homem que passava na hora, para saber quem mora lá. Conto das orquídeas, das rosas e seus perfumes...

Por Sônia Pillon

Tempos de intolerância

Vivemos numa época em que o diálogo parece ter pouco espaço. As redes sociais, cada vez mais polarizadas, se transformaram em trincheiras e ringues virtuais. O preconceito e a intolerância falam mais alto do que o bom senso.

Por Sônia Pillon

Heróis de verdade e de mentira

Muitas vezes, líderes de atuação controversa e figuras históricas duvidosas são equivocadamente colocados no patamar de "grandes homens", recebem estátuas, nomes de cidades, de ruas...

Por Sônia Pillon

Somos perspicazes?

Você, leitor, se considera uma pessoa perspicaz? É comum enxergar o óbvio. Em muitos momentos, conseguimos captar nas entrelinhas. A experiência também costuma ensinar, mas já se perguntou o que a vida está pedindo a você nesse momento?

Por Sônia Pillon

O brasão da família

Imagine uma festa natalina. Visualize aquela linda árvore colorida e iluminada com pisca-piscas, ao som do Jingle Bell, com todos sorrindo, se abraçando, se beijando, trocando presentes... Que imagem linda, não é mesmo? Que felicidade!

Por Sônia Pillon

A Despedida do Velho Guerreiro

Gostaríamos que o tempo fosse mais elástico, queremos prolongar os dias de convivência, mas não somos consultados sobre a partida. Não nos dão esse direito. E não importa se quem amamos tem idade avançada, porque o sentimento de perda é o mesmo.

Por Sônia Pillon

Onde está o rei?

Preocupado em se manter no trono e absolutamente inebriado pelo poder, Lealas se sente ameaçado pelas severas críticas ao seu reinado. O povo exige respostas do soberano, soluções urgentes, mas ele sumiu do castelo. Alguém o viu por aí?

Por Sônia Pillon

O canto do tuiuiu

No trajeto de caminhar vagaroso que fiz do pátio da pousada até ali, ouvindo meus passos a cada estalar da madeira trabalhada, tive uma rara visão. Era o tuiuiu! Como não reconhecer as penas pretas e reluzentes do corpo, contrastando com a cabeça de vermelho tão vivo?

Por Sônia Pillon

A queda do império

A legião romana ia seguindo em frente, puxada pelo centurião, que procurava manter a cabeça erguida para transmitir um resquício de segurança aos comandados. Uma segurança que nem mesmo ele sentia.

Por Sônia Pillon

As garças da lagoa

Ao chegar ao deck, viu que a lagoa estava coberta de vegetação alta, contornando o espaço. E mesmo com o  vento soprando, os raios solares garantiam o calor.

Por Sônia Pillon

O castelo

O calabouço era escuro e úmido. Uma pequena réstia de luz atravessava as grades da minúscula janela, lá no alto. Durante a madrugada, a janela também dava acesso aos morcegos, que faziam voos rasantes e ruídos de arrepiar o mais corajoso dos cavaleiros.

Por Sônia Pillon

O sarcófago do faraó

Por um momento, o arqueólogo fechou os olhos e ficou imaginando a sociedade egípcia em 1346 a.C, com o poder absoluto do faraó, seus sacerdotes, chefes militares, escribas, comerciantes, agricultores, pastores...

Por Sônia Pillon

O bobo da corte

Vestindo roupagem multicolorida, o espalhafatoso chapéu de guizos e carregando um saco nas costas, o bobo da corte finalmente chegou ao castelo de Jaga, no distante reino do Brail. Chegou chegando, como sempre fez, sorrindo e saltitando...

Por Sônia Pillon

Semear e colher

Terras férteis são sempre generosas quando há boa semeadura e cuidados com a germinação. Já as terras áridas desafiam e exigem, sobretudo, paciência...

Por Sônia Pillon
1 2