Sindicato da Educação bateu o martelo: professores e pessoal administrativo não volta às aulas em setembro, como quer o governo do Estado

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Sindicato dos Trabalhadores em Educação bateu o martelo: professores e pessoal administrativo não volta às salas de aula em setembro, com quer o governo do Estado. Em um absurdo, diga-se, sistema de rodízio por idades.Segundo o Coordenador Estadual do SINTE, Luiz Carlos Vieira, por várias razões: as escolas não têm estrutura física para assegurar o não contágio de alunos, professores e outros servidores; não há sequer testagem dos servidores da Educação, obrigados ao uso de máscaras descartáveis a cada aula.

Em tempo: em SC são cerca de 175 mil pessoas com mais de 65 anos vivendo em lares com crianças em idade escolar e, por isso mesmo, expostos ao contágio com a Covid-19.

Vieira lembra que o momento não é o de se discutir a reposição do ano letivo, mas sim, de cuidar da saúde de modo coletivo.

Lembrou, também, que a categoria sempre se posicionou contra às atividades não presenciais porque isso não garante a qualidade do ensino, já que não atinge a totalidade dos estudantes.

Além do que, professores usam seus próprios computadores ou tablets, bancando custos da internet particular, como as famílias dos alunos. E, não poucas vezes, ainda dependendo da péssima qualidade dos serviços oferecidos pelas operadoras.

A retomada das aulas presenciais nas escolas estaduais, suspensas até 7 de setembro, segundo o governo, se dará de forma gradativa e, preferencialmente, para os alunos com mais de 14 anos, obedecendo a cinco diretrizes que envolvem condições sanitárias, pedagógicas, gestão de pessoas, transporte escolar e alimentação.

 Na rede estadual, ações como aquisição de equipamentos, de termômetros, de álcool em gel, de máscaras já estão em andamento, informou o secretário de Educação, Natalino Uggioni.

Termina hoje (31) o prazo dado pelo governo federal para que Santa Catarina aprove projeto de lei da reforma previdenciária dos servidores estaduais. Na terça-feira (28) o governador Carlos Moisés (PSL) mandou retirar a proposta que enviou à Assembleia Legislativa. Motivo: emendas às pencas dos deputados reduziram a projetada economia de R$ 18 bilhões até 2050, para R$ 16 bilhões.

O rombo anual (no bolso dos contribuintes) já bateu na casa dos R$ 4 bilhões.

O Estado precisa da reforma para ter adimplência e obter a necessária certidão previdenciária. E a não votação dentro do prazo estipulado vai impedir que o Estado contrate financiamentos ou receba recursos federais, exceto agora nesta pandemia do novo coronavirus.

 

A defesa da vice-governadora Daniela Rehner (sem partido) protocolou questionamento formal sobre a inclusão dela no processo de impeachment contra o governador Carlos Moisés(PSL) aberto pela Assembleia Legislativa. Ambos enquadrados por crime de responsabilidade. No caso, concedendo isonomia salarial aos procuradores do Estado em relação aos procuradores da AL sem a prévia autorização do Legislativo.

O argumento é de que este tipo de crime está restrito ao Congresso Nacional. Porém, ela foi incluída porque, como governara em exercício, em janeiro, a proposta ainda estava no âmbito administrativo. E nada fez para anular o ato.

Há um movimento de bastidores, à frente empresários ligados à Federação das Indústrias de Santa Catarina e outras instituições de porte, senadores, deputados federais e estaduais, visando sustar o processo de impeachment deflagrado na Assembleia Legislativa contra o governador Carlos Moisés (PSL) e a vice, Daniela Rehner (sem partido)na AL com apoio do presidente Júlio Garcia (PSD). Para evitar que o Estado passe por período de grande instabilidade política, com reflexos em Brasília, em plena pandemia do novo coronavírus. Que, por si só, já é uma tragédia.

Como contrapartida, Moisés assumiria o compromisso formal e por escrito, de não se candidatar à reeleição em 2022.

Dos três senadores, Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PL) têm especial interesse em se livrar da concorrência do atual governador que, queiram ou não, daqui a pouco mais dois anos ainda poderá tirar preciosos votos de ambos, hoje prováveis candidatos à sucessão do próprio Moisés.

Repetindo o velho dito popular de que, na política, até boi pode voar: PP e PL, adversários nas eleições de 2018, unidos agora por interesses políticos pessoais e, lá na frente, em palanques opostos, de novo.

Notas

Partidos buscam mulheres para se lançarem em campanha - Com o veto às coligações proporcionais, partidos políticos têm feito uma corrida interna para ampliar o número de mulheres dispostas a se lançar em campanha. Como a nova regra obriga a partir deste ano que cada legenda tenha, de forma independente, ao menos 30% de nomes femininos nas urnas, partidos que não alcançarem esse percentual vão ter de barrar homens na eleição. Se a cota feminina não for alcançada, a lista de homens terá de ser reduzida na mesma medida e a chapa será então proporcional. Em eleições anteriores, quando a cota do gênero já estava valendo, mas o veto às coligações ainda não, os partidos se coligavam e valia a média de candidaturas femininas do bloco. Na prática, uma legenda podia salvar a outra. Agora é cada uma por si. E além de estabelecer uma percentagem mínima de candidaturas de mulheres, as regras eleitorais determinam que os partidos destinem ao menos 30% de sua verba do Fundo Eleitoral para as campanhas femininas. A corrida por mulheres candidatas está acontecendo em todos os partidos.

Escola de gastronomia organiza duas oficinas - O Chef Gourmet, escola de gastronomia sediada em Jaraguá do Sul, está organizando duas oficinas para capacitação de interessados no universo gastronômico. No dia 22, o chef e professor Gabriel Leoni fala sobre melhores cortes de legumes e verduras para várias preparações e também como congelá-los. Já nos dias 28 e 29, é a vez de a chef Dominique Conceição ensinar aos participantes os segredos da preparação de ovos de Páscoa. As inscrições podem ser feitas pelos telefones (47) 9 9115-8506 e 3055-0679. Para saber mais, basta acessar www.escolachefgourmet.com.br ou seguir as redes sociais da marca.

Secretaria de Saúde promove audiência pública - Os resultados do último quadrimestre serão apresentados à população pela Secretaria de Saúde de Massaranduba na segunda-feira (24), a partir das 9h30min, na Câmara de Vereadores. O relatório dará também os números consolidados do ano. A audiência é o meio pela qual a comunidade pode acompanhar a execução da programação anual da saúde relativos a 2019 e os principais detalhes sobre recebimentos e aplicação dos recursos financeiros e prestação de serviços.

CARNAVAL – O Clube Atlético Baependi promove no dia 25, terça-feira, o carnaval infantil a partir das 14h, com animação do Dj Xalinho e tendo como atração o Robô Led. No local haverá food truck. Evento gratuito para sócios e não sócios a R$ 5,00. Até cinco anos é livre.

Centenário realiza a festa de rei e rainha - A Sociedade Desportiva Recreativa Rio da Luz II – Salão Centenário, realiza no dia 22, sábado, a festa de rei e rainha com baile, a partir das 18h com a concentração dos sócios e uma hora depois a busca das majestades, Muriel Cristo e Jehnefen Tonello (rei e rainha), Natalício Shimanski, David Horongozo, Cecília Schimanski e Tânia Fischer (cavalheiros e princesas). Aldoir Oldenburg será o comandante. O baile começa às 20h30min com a Banda GBD, posteriormente o Grupo Chama e para finalizar a noitada, o Grupo Talagaço. O valor por participante é R$ 35,00 com direito ao buffet, duas horas de bebidas livre (cerveja, refrigerante e água) e impresso para o baile. Quem for apenas para o baile pagará R$ 15,00.