Será que sabemos amar?

Krismaira Rau Marcon

Psicóloga Infantil, Adultos, Casais e Família. CRP 12/04595 , Psicopedagoga e Psicogenealogista.

Ver artigos

Amar e ser amado, o ideal de todos por toda uma vida. Um desejo louco de ser aceito como é e mais ainda nos seus piores dias. Será que isso é possível? Dizem os antepassados que amar é coisa de louco, pois remete a doação, entrega, aceitação de tudo que a vida nos proporciona na convivência diária. Vezes tão difícil amar com dor, mas mesmo assim, o foco mais moderno agora é amar incondicionalmente qualquer pessoa.

Vamos voltar a infância, aos laços com vossos pais, estes que os geraram. Será que foi possível sentir o amor deles por você? E o seu amor por eles, como fica até hoje? Eis que o simples fato de trazerem a vida, torna-se o ato mais nobre em um movimento familiar. Quem foram os cuidadores? Os mesmos, os avós, os irmãos mais velhos?

Já amas os seus pais biológicos, pelo simples fato de terem permitido que viesse a essa caminhada, eis que fizeram uma escolha, não abortar você, mas lhe trazer a essa jornada para que possas aprender nos caminhos, vezes tortuosos, outros amáveis, mas muitas vezes da maneira que pôde ser.

Quando digo que os amam pelo simples fato de existir, é tão verdade que o amor x ódio caminham juntos, pois ter ódio, pena, raiva, mágoa dos pais, são emoções que não permitiram viver a “plenitude do amor”, da forma até mesmo romantizada pela cultura. Temos buscas constantes nos outros, quando vivemos experiências na infância que não permitiram sentir o amor, o mais puro amor, tão desejado e sonhado. Crescer e sentir dor em amar, está ligado claramente as experiências da infância que não foram elaboradas e que faz sentir dor, idênticas dos antepassados.

Autoconhecimento fala de amar a si mesmo e construir nas tuas dores o amor que tua alma precisa. Amar passa pelos crivos de não julgar, não criticar, aceitar, respeitar e se entregar. E aí, será que amas?

 

Se observe, se acalme e acolha qualquer emoção que vem frente a leitura desse texto. Essa emoção fala de ti, do que você possui dentro do peito.

Até mais, se cuide!