Quem vai resolver?

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Em documento formal dirigido ao gerente regional da Celesc de Blumenau, o presidente da Câmara de Massaranduba, Vanderlei Sasse (MDB), faz queixas severas sobre o atendimento precário que a estatal dá aos consumidores do município. Destacando o trabalho feito por uma única pessoa em meio expediente, das 13h às 17h. Tal absurdo foi adotado no primeiro mandato de Raimundo Colombo (PSD). Era o “Horário de Verão”, segundo o governo para economizar energia elétrica nas repartições estaduais. Resultados nunca foram publicados.

Salários cheios

Em 2015, Colombo disse que no ano seguinte o expediente seria alongado, das 12h às 19h, mas nada aconteceu. À época o sindicato da categoria protestou exigindo aumento salarial por uma hora a mais. E até hoje os servidores trabalham 30h semanais, mas recebendo 40h. Se serve de consolo, Schroeder e Corupá vivem situação pior, dependendo de Jaraguá do Sul.

Respeito ao cliente

E aí é necessário fazer justiça. Apesar da carga de trabalho em expediente ininterrupto de atendimento regional, que vai das 8h30 às 16h30, servidores lotados na agência de Jaraguá do Sul fazem o que podem para que todos os problemas e dúvidas dos consumidores sejam sanados, sempre que possível, na mesma hora. Com boa vontade, diga-se também.

A conta gotas

Governador Carlos Moisés (PSL) voltou de Brasília com promessa do Ministério da Saúde de repassar para Santa Catarina lote de 92,1 mil doses da Coronavac, que já chegaram e com imediata distribuição para os municípios hoje (4). Vacinas a conta gotas. Nesse ritmo, é provável que entremos em 2022 (um ano eleitoral) vacinando a população catarinense.

Sem condições

O próprio Instituto Butantan, referência mundial na produção de vacinas, já disse repetidas vezes não ter estrutura e insumos para produzir vacinas na velocidade exigida para um país com mais de 200 milhões de habitantes. Então e por isso, enquanto milhões de pessoas esperam pela imunização, nossas armas são responsabilidade, máscara e álcool gel.

Rejeição na Europa

Uma pesquisa feita pela consultoria Kantar Public, líder mundial em análise de dados, apontou que quatro em cada dez franceses afirmam que não devem se vacinar, por enquanto. O ceticismo é alto também na Alemanha e nos EUA: 26% dos americanos e 23% dos alemães rejeitam a imunização. A desconfiança está na rapidez com que várias vacinas foram criadas.

Prévias do MDB em agosto

Diretório estadual do MDB definiu a data de 15 de agosto para a eleição prévia interna que apontará o candidato a governador do partido em 2022 na preferência dos mais de 185 mil filiados registrados no Tribunal Regional Eleitoral e espalhados pelos 295 municípios catarinenses. Com inscrições obrigatórias até dia 30 de junho. Três emedebistas querem disputar a cadeira de Carlos Moisés (PSL): Antidio Lunelli, prefeito de Jaraguá do Sul, reeleito com mais de 70% dos votos; Celso Maldaner, deputado federal e presidente estadual do MDB que conseguiu recompor o partido depois do desastre nas urnas em 2018 e o senador Dário Berger, que antes da filiação ao MDB passou pelo PL, PFL, PSDB e PDS (hoje PSD).

Candidato tucano

O ex-deputado Gelson Merísio, esmagado pelas urnas em 2018 quando disputou a eleição majoritária para governador pelo PSD, agora é pré-candidato à chefia do Executivo estadual, mas pelo PSDB. O anúncio oficial do partido tucano pode sair ainda nesta semana, em possível coligação com a ala do PSL estremecida com Carlos Moisés, incluindo aí o deputado federal Fabio Schiochet, presidente estadual do partido do governador. É a obsessão pelo poder a qualquer custo. Lembram de Merisio xingando Moisés e o PSL?