Perícia nos óbitos

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 70 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Assembleia Legislativa está instalando comissão para avaliar óbitos por Covid 19. A proposta, do deputado Kennedy Nunes (PSD) pretende avaliar se o tratamento e cuidados dispensados aos pacientes foram estabelecidos pelas regras da medicina. “O que queremos é que nenhuma família tenha dúvidas do que aconteceu. Se o óbito foi por falta de cuidados médicos ou não”, disse o deputado. Participam a OAB, Ministério Público, Conselho Regional de Medicina, governo do Estado, secretários de Saúde e Federação Catarinense dos Municípios.

Dedo de Kassab

Ministro das Cidades no governo de Dilma Rousseff (PT), o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, também presidente do diretório nacional do PSD, que recriou o partido em 2014 para apoiar a petista, deve reaparecer em Santa Catarina. Para apoiar a candidatura do ex-deputado Gelson Merisio (hoje no PSDB) a governador em 2022. O ex-governador Raimundo Colombo (PSD) também quer e o imbróglio já está criado. Merisio tenta convencê-lo a desistir.

Via Verde cheia

Já caía a noite de domingo (4) e a Via Verde, em todo o seu trajeto, registrava a presença de dezenas de pessoas de todas as idades, muitas sem máscaras e vários pontos de aglomeração. Mesmo estando em vigor decreto permitindo apenas atividades individuais por ali. Se fosse Carnaval, aquelas fitas zebradas usadas para sinalizar espaços restritos teriam mais utilidade como alegoria. A maioria não respeita nada. E, quando isso acontece, a pessoa ainda corre o risco de ser hostilizada.

Esticando o expediente

Primeiro ato oficial da secretária da Saúde, Carmem Zanotto (Cidadania), foi esticar o expediente de restaurantes, bares, botecos e afins. Até o dia 12, venda e consumo de bebidas alcoólicas nestes estabelecimentos até 22 horas. Com a assinatura da governadora interina, Daniela Reinher (sem partido) em parecer de técnicos do Centro de Operações de Emergência em Saúde. De fato, não fosse a pandemia crescente, abrir as portas de bares e botecos das 6 da manhã às 6 da tarde é incoerente. De resto, é esperar pelas consequências.

Na cara dura

Na semana passada o Brasil ficou sabendo que, na surdina, ato da Mesa Diretora de Câmara dos Deputados presidida por Arthur Lira (PP/AL) reajustou, de R$ 50 mil para R$ 135,4 mil o valor que pode ser reembolsado aos deputados por conta de tratamentos de saúde. Nada de novo, é só mais uma safadeza com ao qual nossos 16 deputados federais concordam, incluindo os que têm base eleitoral aqui no Vale: Carlos Chiodini (MDB) e Fabio Schiochet (PSL).

Plano inclui a família

O que muitos não sabem é que tal escárnio é extensivo aos familiares. Para atendimento, do titular e dependentes, em hospitais privados, é claro. Para isso, os deputados têm plano de saúde no valor de R$ 630,00/mês. Como salário recebem R$ 33,7 mil e mais belas somas como verbas de gabinete, auxílio moradia e por aí vai. Dependendo da idade, um plano de saúde individual, tipo meia boca, para o contribuinte que paga tudo isso sai na faixa de R$ 1,2 mil. Ou mais.

Desempregados e miseráveis

Aliás, agravado pela pandemia da Covid-19, o Brasil tem hoje, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, um quadro de 14,3 milhões de desempregados e quase 27 milhões de pessoas na extrema pobreza. E diz a Confederação Nacional da Indústria que a proporção de desempregados poderá alcançar seu maior nível em 2021, com taxa de desocupação média de 14,6% da população ativa.