O sarcófago do faraó

Sônia Pillon

Sônia Pillon é Presidente de Honra da ALBSC Jaraguá do Sul. Nasceu em Porto Alegre (RS), com formação em Jornalismo pela PUC-RS e pós-graduação em Produção de Texto e Gramática pela Univille (SC). 

Ver artigos

Por Sônia Pillon

     O calendário marcava 22 de novembro de 1922. A construção mortuária de pedra tinha dimensão menor, comparada às outras, dada a origem nobre de quem foi sepultado ali. Nem acreditava que finalmente encontrara a pirâmide que tanto procurava! Sentia que estava vivendo um momento histórico, único, que o tornaria famoso nos cinco continentes.

     O corredor era escuro, fracamente iluminado pelo tênue feixe de luz que saía da sua lanterna. Fez questão de entrar sozinho, para usufruir vaidosa e egoisticamente aquele momento.

     O voo desconexo dos morcegos e o som que emitiam não o perturbaram. Ao contrário, entendia que a presença desses mamíferos negros era a prova cabal de que aquele lugar se mantivera intacto, por séculos e séculos...

     O portal do mausoléu trazia hieróglifos que pareciam saudar os visitantes. – Com certeza é uma mensagem de boas vindas, pensou Howard Carter, que não tardou a encontrar o sarcófago de Tutankhamon, o jovem faraó que morreu prematuramente, aos 19 anos, por circunstâncias pouco esclarecidas.

     A câmara funerária tinha quatro capelas em madeira dourada, encaixadas, que protegiam o sarcófago de quartzito. Ouro, muito ouro e jóias decoravam o túmulo. A essa altura, ele gritou para que a equipe entrasse, e a fascinação por tanta riqueza se traduzia nos olhares brilhantes e cobiçosos dos participantes da expedição.

     Por um momento, o arqueólogo fechou os olhos e ficou imaginando a sociedade egípcia em 1346 a.C, com o poder absoluto do faraó, seus sacerdotes, chefes militares, escribas, comerciantes, agricultores, pastores... Isso sem falar nos escravos, capturados nas guerras, desprezados e sacrificados durante as construções das pirâmides... Também enxergou um homem sorrindo, bem ao lado de um rosto mumificado. Carter soltou um longo suspiro, mas logo se recompôs. Era hora de comemorar, chamar as autoridades locais e a imprensa. O mundo precisava saber do seu achado!

     Ao iniciar a interpretação dos hieróglifos, traduziu a frase do portal, não sem um certo mal-estar: "A morte abaterá com suas asas quem perturbar o sono do faraó". Um arrepio involuntário percorreu sua espinha. – Bobagem!, disse para si mesmo.

     Em abril de 1923, o conde de Carnarvon, que financiou a expedição, morreu com uma inexplicável febre, ainda no Egito. Foi a primeira de 22 mortes misteriosas e fulminantes relacionadas à descoberta arqueológica. Curiosamente, Howard Carter viveu mais 13 anos! Ao que tudo indica, “A maldição do faraó” não o atingiu...

    Ao fechar o livro “História das civilizações antigas”, o menino Jonas ficou pensativo e depois olhou o relógio. Eram quase 19 horas. A Biblioteca Municipal logo iria fechar. Foi o último a sair, com um olhar perdido e a imaginação ainda às voltas com pirâmides, faraós e sarcófagos... Apressou o passo, porque sabia que sua mãe o esperava para o jantar.