O castelo

Sônia Pillon

Sônia Pillon é Presidente de Honra da ALBSC Jaraguá do Sul. Nasceu em Porto Alegre (RS), com formação em Jornalismo pela PUC-RS e pós-graduação em Produção de Texto e Gramática pela Univille (SC). 

Ver artigos

Por Sônia Pillon 

O calabouço era escuro e úmido. Uma pequena réstia de luz atravessava as grades da minúscula janela, lá no alto. Durante a madrugada, a janela também dava acesso aos morcegos, que faziam voos rasantes e ruídos de arrepiar o mais corajoso dos cavaleiros. Sujo e empoierado, o local também estava tomado por ratos e baratas. Um completo cenário de horror.

E era nesse ambiente fétido e aterrador que lorde Thompson estava encarcerado, longe de tudo e de todos, principalmente de sua amada, desde que o soberbo Henry, o rei da Bretanha, descobriu que ele cortejava sua única filha, Mary Hellen.           Ambicioso, o frio soberano tinha outros planos para sua herdeira. Pretendia casá-la com um outro rei, unir os dois reinos e crescer ainda mais em seus domínios.  

Enquanto se refugiava em um canto da cela, na tentativa de ficar a salvo dos roedores e insetos, ficava lembrando da primeira vez que viu a tímida princesa Mary Hellen, passeando pelo jardim do castelo.

O vestido azul-turquesa da filha do rei se movia graciosamente enquanto ela caminhava por entre as flores, e ressaltava ainda mais seus olhos azuis cor-do-céu, a pele clara e a cativante expressão de pureza de seu rosto. E foi naquele momento que Thompson chegava em seu cavalo branco, altivo e garboso em sua armadura de ferro. Ao ver a nobre donzela, foi tomado por forte emoção e imediatamente colheu a rosa mais bonita e ofereceu à moça, que enrubesceu.

- Alteza, aceite essa rosa como prova da minha lealdade e profunda admiração. Uma linda rosa para uma linda princesa!, falou o lorde, com um sorriso sedutor Era o começo de um namoro, com encontros furtivos e troca de cartinhas apaixonadas, intermediadas pela fiel ama. Foram três meses de juras eternas, até o dia em que o rei flagrou os dois se beijando em um dos corredores do grande castelo.

- Mas, o que é isso?! Como ousa beijar a princesa, que está prometida ao rei da Escócia?

- Eu não vou me casar com o rei da Escócia! Prefiro morrer!, retruca a princesa Mary Hellen, caindo em prantos.

- Pois você vai casar com ele, sim! E esse atrevido vai ter a lição que merece! Guardas, levem lorde Thompson para o calabouço, agora!!!

De nada adiantaram os protestos da princesa, nem a promessa do lorde de que queria desposar Mary Hellen para fazê-la muito feliz. Ao lembrar como tudo aconteceu, lord Thompson solta um longo suspiro.

- Tom! Tom! Ele abre os olhos e se espanta ao ver a mulher o chamando. Era como se tivesse voltado do túnel do tempo.

- Estava preocupada com você, amor. Suava frio e se debatia durante o sono... Teve um pesadelo com aqueles alunos bagunceiros de sempre?

- Ah, sim, mas já passou, disse à mulher, com um sorriso enigmático. - Lembrei agora que preciso terminar a minha aula sobre a Idade Média... Acho que vou marcar a prova para semana que vem...