O amor segundo os jornalistas

Carla Nunes

Carla Nunes é jornalista, cronista e editora do JDV Digital. 

Ver artigos

O lead da vida é o amor, mas é quase impossível responder a todas as suas questões. O leitor pode perguntar “mas o que é o lead”? E é justa essa interrogação, porque sem ter clareza do seu significado este texto não fará sentido.

Acreditem, o lead é complicado até para os jornalistas. Muitos entram numa redação e não sabem fazê-lo. Pois bem, sem mais delongas, o Lead, senhores, em termos simples, nada mais é do que seis perguntas básicas para se construir uma notícia. As perguntas que compõem um lead são: o que, quem, onde, quando, como e por que.

Voltemos ao amor. O lead da vida é o amor, mas “o que” é esse sentimento que, parafraseando Cecília Meireles, não há quem explique e ninguém que não entenda? Uns podem até arriscar: ah, o amor é isso, é aquilo, mas cada amor é diferente do outro, não tem fórmulas mágicas e nem cálculos. A primeira questão do nosso lead ficou sem resposta.

Quem? Ah, essa é simples. Bem, não tenho certeza. Para quem está esperando o amor, a pergunta pode ser “quem será” que há de vir. Para os que já têm o “quem”, responder a questão pode ser fácil, preenchendo a lacuna com o nome da pessoa amada. Mas espere, logo isso não basta, por que “quem” é essa pessoa? Quem? Nunca saberemos, nunca conheceremos profundamente, minuciosamente a ponto de saber “quem” é aquele a quem amamos. E eles também não saberão muitas coisas a nosso respeito, não sabem na verdade quem somos “no todo”, nem nós nos conhecemos para dizer quem somos, quanto mais o outro.

Onde tudo começou? Você pode até dizer que foi num parque, num bar, num show, mas a questão vai além disso. A questão é “onde”, onde a gente se perdeu, onde nos encontramos. Onde, em nós, nos amamos.

O quando. Ah, foi no dia 11 de novembro de 2011, claro. Mas não pense em datas e momentos. Reflita sobre quando a amizade começou a virar algo mais. Quando você percebeu que era amor? Quando deixou de amar? Em que momento você percebeu que a vida sem ele(a) não fazia mais sentido? Ou que a vida com ela (e) não dava mais certo? Essas coisas a gente não se dá conta, simplesmente acontece. Não dá pra dizer quando. “Eu conheci fulano no dia tal é diferente de saber quando comecei a amá-lo”.

Como. Como o que? É isso mesmo, como você se apaixonou? Como você se deixou envolver? Como deixou isso acontecer? Dá pra responder? Simplesmente não tem como. E finalmente, uma das mais difíceis de todas essas perguntas. O por quê. Por que você ama o fulano, a sicrana, por quê? Por que você o conheceu ontem e já sente que é amor? Por que depois de tudo que ela fez você continua a amá-la? Por que você continua amando aquele cafajeste? Por que você não consegue esquecer? Por quê? A única resposta pra isso tudo talvez seja: Porque é amor.

 

Notas

Partidos buscam mulheres para se lançarem em campanha - Com o veto às coligações proporcionais, partidos políticos têm feito uma corrida interna para ampliar o número de mulheres dispostas a se lançar em campanha. Como a nova regra obriga a partir deste ano que cada legenda tenha, de forma independente, ao menos 30% de nomes femininos nas urnas, partidos que não alcançarem esse percentual vão ter de barrar homens na eleição. Se a cota feminina não for alcançada, a lista de homens terá de ser reduzida na mesma medida e a chapa será então proporcional. Em eleições anteriores, quando a cota do gênero já estava valendo, mas o veto às coligações ainda não, os partidos se coligavam e valia a média de candidaturas femininas do bloco. Na prática, uma legenda podia salvar a outra. Agora é cada uma por si. E além de estabelecer uma percentagem mínima de candidaturas de mulheres, as regras eleitorais determinam que os partidos destinem ao menos 30% de sua verba do Fundo Eleitoral para as campanhas femininas. A corrida por mulheres candidatas está acontecendo em todos os partidos.

Escola de gastronomia organiza duas oficinas - O Chef Gourmet, escola de gastronomia sediada em Jaraguá do Sul, está organizando duas oficinas para capacitação de interessados no universo gastronômico. No dia 22, o chef e professor Gabriel Leoni fala sobre melhores cortes de legumes e verduras para várias preparações e também como congelá-los. Já nos dias 28 e 29, é a vez de a chef Dominique Conceição ensinar aos participantes os segredos da preparação de ovos de Páscoa. As inscrições podem ser feitas pelos telefones (47) 9 9115-8506 e 3055-0679. Para saber mais, basta acessar www.escolachefgourmet.com.br ou seguir as redes sociais da marca.

Secretaria de Saúde promove audiência pública - Os resultados do último quadrimestre serão apresentados à população pela Secretaria de Saúde de Massaranduba na segunda-feira (24), a partir das 9h30min, na Câmara de Vereadores. O relatório dará também os números consolidados do ano. A audiência é o meio pela qual a comunidade pode acompanhar a execução da programação anual da saúde relativos a 2019 e os principais detalhes sobre recebimentos e aplicação dos recursos financeiros e prestação de serviços.

CARNAVAL – O Clube Atlético Baependi promove no dia 25, terça-feira, o carnaval infantil a partir das 14h, com animação do Dj Xalinho e tendo como atração o Robô Led. No local haverá food truck. Evento gratuito para sócios e não sócios a R$ 5,00. Até cinco anos é livre.

Centenário realiza a festa de rei e rainha - A Sociedade Desportiva Recreativa Rio da Luz II – Salão Centenário, realiza no dia 22, sábado, a festa de rei e rainha com baile, a partir das 18h com a concentração dos sócios e uma hora depois a busca das majestades, Muriel Cristo e Jehnefen Tonello (rei e rainha), Natalício Shimanski, David Horongozo, Cecília Schimanski e Tânia Fischer (cavalheiros e princesas). Aldoir Oldenburg será o comandante. O baile começa às 20h30min com a Banda GBD, posteriormente o Grupo Chama e para finalizar a noitada, o Grupo Talagaço. O valor por participante é R$ 35,00 com direito ao buffet, duas horas de bebidas livre (cerveja, refrigerante e água) e impresso para o baile. Quem for apenas para o baile pagará R$ 15,00.