Lições financeiras que você não aprende na escola - Parte I

Cristiano Mahfud Watzko

Graduado em Direito pelo Centro Universitário Católica de Santa Catarina, Pós-graduado (MBA em Direito Empresarial) pela SUSTENTARE - Escola de Negócios, com atuação na área de treinamento da Cassuli Negócios Corporativos.

Ver artigos

           Caro (a) leitor (a), nos últimos dias recebi um e-mail com o seguinte título: “17 lições que você nunca aprenderá na escola”, de autoria do Robert Kiyosaki. Nesta primeira parte, o (a) leitor (a) terá acesso a algumas das lições.
          Antes de tratarmos sobre as lições, desejo que o (a) leitor (a) leia com carinho as palavras que seguem: “Albert Einstein não impressionou seus professores. Do ensino fundamental à faculdade, seus professores pensavam que ele era preguiçoso, desleixado e insubordinado. A maioria deles dizia: "Ele não será ninguém na vida". No entanto, Einstein se tornou um dos cientistas mais influentes da história. Gênio é um acrônimo para "Geni-in-us" — o gênio ou o mágico que existe em cada um de nós”.
             Você sabia que o “negócio” da educação é uma das maiores indústrias do mundo, e que impacta a vida de quase todas as pessoas no planeta, de diversas maneiras? Para se ter ideia, nos Estados Unidos, apenas escolas públicas de ensino fundamental e médio empregam 3,2 milhões de professores em tempo integral e gastaram US$ 670,9 bilhões em 2016, de acordo com o US Census Bureau, o instituto de estatística americano. E, além disso, militares gastam “uma montanha” de dinheiro para treinar rapazes e moças para servirem seu país. Nas empresas, também são investidos milhares de reais para treinar os colaboradores e não podemos esquecer as escolas técnicas.
            Antes de iniciarmos nosso passeio pelas lições, cito outro trecho do e-mail que recebi: “Mas a educação financeira, pelo menos nas arenas formais e estabelecidas dos sistemas e currículos escolares, é amplamente ignorada. Aconselhamos as crianças a irem à escola para conseguir um emprego e trabalhar por dinheiro, mas ensinamos pouco ou nada sobre dinheiro. As estatísticas contam uma história triste e preocupante: enquanto 90% dos estudantes querem aprender mais sobre dinheiro, 80% dos professores não se sentem à vontade para ensinar a matéria. Um dia, a educação financeira fará parte do currículo de todas as escolas, mas não no futuro próximo”.
             Lição 1: A História do Dinheiro – É importante entender como o dinheiro funciona, e para isso deves estudar como ele funcionava no passado. Ao longo dos séculos, o dinheiro passou de algo bastante simples, como moeda de troca, e evoluiu, um dos exemplos da sua complexidade são os derivativos. O dinheiro hoje não é mais um objeto, e sim, uma ideia, pois, não é tangível e intuitivo.
            Lição 2: Entendendo seu extrato financeiro pessoal – “Meu pai rico com frequência dizia: “O seu gerente de banco nunca pede pra ver seu boletim. O gerente do banco quer ver seu extrato financeiro — o seu verdadeiro boletim quando deixa a escola.” Por isso, deves saber e entender sobre seu extrato financeiro pessoal. Já pensou em fazer um balanço contendo todos os seus bens (carro, casa, etc, investimentos) e todas suas dívidas (empréstimos, financiamentos, parcelamentos em cartões, etc)? Se sim, e já tens parabéns ao leitor. Se não, que tal fazer? Se precisares de ajuda, podes entrar em contato.
            Lição 3: Saber a diferença entre um ativo e um passivo – Usando como analogia, num balanço de uma empresa, os ativos são os bens, como o dinheiro em caixa (dinheiro no banco), móveis e imóveis, maquinários, estoque de mercadorias, e os direitos. Tudo o que empresa possui e tem direito a receber. Já os passivos são as obrigações, isto é, as despesas feitas pela empresa que se constituem por contas a pagar, para fornecedores ou ao governo, por exemplo. E você leitor (a), sabe quais são todos os ativos que possui e todos seus passivos? Deixo como desafio para cada um.
       No próximo artigo, iremos ver as próximas lições. Sinta-se à vontade para entrar em contato através do e-mail: [email protected] Até a próxima.