Ideia que deu certo

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 70 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

O programa Saco Verde, mantido pela Prefeitura de Jaraguá do Sul focando na coleta de lixo reciclável recolhido em embalagens próprias, foi destaque no 14º Seminário Nacional de Resíduos Sólidos (online por conta da pandemia do coronavirus). Mas, faça-se justiça, tudo começou em 2013 no governo de Dieter Janssen, quando o oceanógrafo Leocádio Neves e Silva assumiu a Fundação Jaraguaense do Meio Ambiente e lançou a ideia. Aliás, à época alvo de muito descrédito pois o hábito de se guardar para reciclar era algo distante da realidade vigente.

Envolvendo as escolas

Persistente, Leocádio percebeu que o caminho era envolver as escolas. De fato, com isso os primeiros resultados do então “Recicla Jaraguá” apareceram. Em meados de 2015 a coleta atingiu 407 toneladas/mês, um recorde à época. Deu tão certo ao longo dos anos que o oceanógrafo e mestre em Planejamento Urbano e Regional e Desenvolvimento de Políticas Públicas, formado pela Universidade do Vale do Itajaí, foi reconduzido ao cargo pelo prefeito Antídio Lunelli em janeiro de 2017. Leocádio morreu de câncer no estômago naquele mesmo mês. Aos 44 anos de idade.

Acredite, se quiser

Pesquisa encomendada pela Revista Veja diz que 27,6% dos eleitores entrevistados votariam em Jair Bolsonaro e outros 22,3% em Lula da Silva. E, ainda, que 46,3% não votariam em nenhum dos dois. Dos cotados pré-presidenciáveis “sobram”, por enquanto, João Dória, Sérgio Moro, Rodrigo Maia, Ciro Gomes, João Amoêdo, Luciano Huck, Henrique Mandetta e Eduardo Leite. E salve-se quem puder.

Agitação no PSL

Deputado federal e presidente estadual do PSL, Fábio Schiochet, questiona em carta endereçada aos deputados se pretendem deixar a sigla. O deputado Sargento Lima respondeu que sim. Quem fala mal do partido deve sair, entende Schiochet. Citando nominalmente Ricardo Alba (PSL/Blumenau), o mais votado em 2018 e que em 2022 deve ir de mala e cuia para o DEM.

Impeachment do STF

Do senador Jorginho Mello (PL) já em campanha para governador em 2022: “Aos que perguntam sobre o impeachment de ministros do STF, lembro que fui um dos primeiros a assinar o requerimento da CPI Lava-Toga para frear determinados abusos contra a democracia e ataques às liberdades individuais. Não tenho rabo preso. Assim que for pautado, votarei!”.

Promessa é dívida?

Governador Carlos Moisés (PSL) vai cumprir promessa feita em janeiro ao ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, de injetar R$ 200 milhões de recursos do Estado nas obras de duplicação da BR-470, entre Navegantes e Indaial. Nesse sentido a Assembleia Legislativa deverá votar projeto de lei em regime de urgência. A minoria dos 40 deputados estaduais defende que o dinheiro deveria ser usado na recuperação de rodovias estaduais. E que ele prometeu, também, já no início do mandato.

“Não” para a 280

Para a duplicação do trecho federal da BR-280, entre a BR-101 e Jaraguá do Sul, o Estado não repassará recursos para dar agilidade às obras que se arrastam há seis anos. O governador entende que já faz o bastante duplicando o trecho urbano da rodovia em pouco mais de nove quilômetros. Tirando do papel uma promessa feita pelo ex-governador Raimundo Colombo (PSD) em seu primeiro mandato. E, pelo jeito, por aqui não há vozes discordantes. Ou há?