Educação Financeira - Por Cristiano Mahfud Watzko

Cristiano Mahfud Watzko

Graduado em Direito pelo Centro Universitário Católica de Santa Catarina, Pós-graduado (MBA em Direito Empresarial) pela SUSTENTARE - Escola de Negócios, com atuação na área de treinamento da Cassuli Negócios Corporativos.

Ver artigos

Finanças e Família Parte II

Caro leitor, na semana passada, eu compartilhei 10 dicas, e prometi que no próximo artigo, ou seja, neste o (a) leitor (a) teria conhecimento das outras 10. Contudo, antes de adentrarmos, gostaria de rememorar 2 dicas, a meu ver, as principais do artigo anterior, que eram a de número: 6 e 9.

“6 – Caso surjam problemas financeiros, busquem uma solução juntos e ajudem-se – desde a organização dos gastos até a quitação das dívidas. Na maioria dos casos, quando surgem problemas financeiros grandes, a tendência é que a outra parte abandone-a outra. Costumo dizer que se queres testar seu casamento/relacionamento tenha momentos de crises, pois, se suportarem juntos as dificuldades, sejam elas financeiras ou qualquer outras, é porque efetivamente existe amor entre vocês dois. O resto é resto.

9 – E estabeleça sonhos, definindo a quantia ideal que deve ser economizada pelo casal para que eles sejam realizados. Novamente aqui, os sonhos devem ser definidos juntos e revisados pelo menos uma vez por ano”. Agora vamos as seguintes, mantive a ordem, lembrando que o texto em negrito é como foi publicado no artigo que havia lido nas férias, e na sequência é um comentário deste autor.

11 – Registrem todos os ganhos e contas do casal em um lugar só. Assim é possível ter um panorama geral do orçamento familiar. Tenham um orçamento familiar. A visão de quanto vocês têm de receita como um todo durante o mês e de quantos estão gastando é muito importante, se já fazem excelente, continuem, se não fazem, que tal fazer a partir do próximo mês?

12 – Não se esqueça de que cada um tem sua individualidade e, mesmo sendo membro de um casal, tem o direito de ter uma reserva financeira para usar da maneira que bem entender. Dentro do orçamento familiar, cada um deve ter direito a ter uma linha com a seguinte descrição “Valor livre mensal”, para gastar como quiser, estabeleçam juntos, quanto cada um terá de direito. E nada de um ficar de fiscal, sobre como o outro gastou o seu valor livre, por isso, que é “valor livre mensal”. Cada um faz o que quiser.

13 – Aprenda a não ceder às vontades e chantagens do outro, evitando gastos desnecessários. Isto é difícil, mas mantenha a firmeza no que acordaram.

14 – Tenha uma conta conjunta ou, se isso não for possível, mantenha a transparência dos extratos bancários. Para que as coisas deem certo, transparência é tudo. Não há necessidade de terem conta conjunta, mas saibam como está a situação financeira do casal.

15 – Entenda caso o companheiro precise ajudar, mensalmente, seus pais ou outros membros da família. Extremamente importante esta dica, nunca deixe de compreender e de também ajudar financeiramente o membro da família do (a) seu (ua) companheiro (a) se puderes. Isto fará bem para o coração de quem recebe e para seu próprio coração.

16 – Antes de cobrar a disciplina financeira do parceiro, cobre-a de si mesmo. Aqui vale lembrar o velho ditado: “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Não siga ‘ao pé da letra’ o ditado, e sim, tenha atitudes concretas de disciplinas financeiras e depois, poderá cobrar do (a) seu (ua) parceiro (a).

17 – Caso tenham rendas diferentes, evitem frases feitas do tipo “eu te sustento” ou “o dinheiro é meu” em discussões financeiras. Estas frases só fazem mal para o relacionamento do casal, tanto no âmbito financeiro como no emocional, então, não as use.

18 – Procure o auxílio de planejadores financeiros caso haja dúvidas de como gerir a renda da casa sozinhos. Nos últimos anos, tem crescido o número de planejadores financeiros no Brasil, mas procure profissionais de confiança e que demonstrem bom conhecimento, credibilidade e com a Certificação CFP.

19 – Evitem o uso de cartão de crédito e cheques pré-datados. Isso vale para compras parceladas, especialmente se não for do conhecimento do casal. Aqui somente o cartão de crédito deve ser usado se o (a) leitor (a) souber usá-lo com sabedoria, mas isto é matéria para um artigo próprio.

20 – Reservem um dinheiro para os momentos de lazer à dois. Não esqueçam de fazer isto e pelo menos façam isto uma vez ao mês, seja um jantar, uma ida ao cinema, ou apenas um pequeno passeio.

Faça bom uso das dicas acima. Sinta-se à vontade para entrar em contato através do e-mail: [email protected] Até a próxima.