EDUCAÇÃO FINANCEIRA

Cristiano Mahfud Watzko

Graduado em Direito pelo Centro Universitário Católica de Santa Catarina, Pós-graduado (MBA em Direito Empresarial) pela SUSTENTARE - Escola de Negócios, com atuação na área de treinamento da Cassuli Negócios Corporativos.

Ver artigos

A Oma Watzko - Caro (a) leitor (a), hoje peço licença para não escrever sobre o assunto de Educação Financeira. No dia 02 de outubro, estava em viagem pelo escritório e então recebi uma ligação da minha esposa me dizendo que minha ‘Oma Watzko’ tinha falecido e na sequência, lembro dela dizer para mim as seguintes palavras: “Amor, liga para seu pai e pede se ele precisa de alguma ajuda”. Foi o que fiz. Voltei para Jaraguá e fiquei fazendo o que podia durante o velório da Oma.

Na oração, o Pe. Darlan fez questão de lembrar que a Oma Watzko (in memorian) ia todo sábado na missa na Igreja Nossa Senhora Rainha da Paz ou outra Igreja e como era bonito de ver essa devoção que ela tinha, e na cremação, o Senhor que fez a oração novamente fez esta lembrança.

A Dona Odila que esteve presente no velório da Oma Watzko (in memorian) disse para mim naquele dia: “Cris, depois você escreve um artigo em homenagem para a Oma”. Admito que não consegui escrever na semana anterior, mas agora meu coração já consegue partilhar com os leitores um pouco dos meus sentimentos.

Enquanto eu estava lá no velório, lembrei-me de alguns momentos que foram muitos importantes e que tenho guardados no coração. No mundo atual, onde o ‘ter’ vale mais do o que ‘ser’, pode até parecer sem sentido, mas, lembro que com meus +/- 15 anos, eu ia de bicicleta até a casa do Opa (in memorian) e da Oma Watzko (in memorian), na parte da tarde, e primeiro jogávamos bocha com o Opa, (in memorian), eu e meu primo Ricardo, algumas vezes o Geraldo e o Nilton, (in memorian), também jogavam juntos, depois, brincávamos na piscina, e depois tínhamos café para comer na casa da Oma, muitas vezes o Strudel e/ou o Kipfel (doce alemão). Lembro com carinho e saudades daquelas tardes.

Guardo com carinho, aquela viagem que fiz para a Europa, na qual meu pai defendeu a tese de Mestrado dele na faculdade do UMINHO em Braga/Portugal, e depois fizemos um pequeno tour, em algumas cidades, e naquela viagem, o Opa e a Oma Watzko (in memorian) foram juntos. Também me lembro que meu querido avô Amadeus (in memorian) me deu um diário e disse para mim: “Cris, registre neste pequeno diário, seus sentimentos sobre tudo o que vires na viagem”. E posso dizer que fiz e ele está guardado numa prateleira lá em casa.

Tenho a certeza no meu coração que a Oma Watzko (in memorian) está cuidando dos seus filhos, netos, noras, genro, bisnetos e todas as pessoas que ela cativou durante toda sua caminhada com o seu jeito simples e principalmente com a sua fé que ela guardou e ensinou a todos. Querida Oma Watzko (in memorian), eu só tenho uma palavra, para encerrar este artigo: “Obrigado”.