Coragem para mudanças

Claudio Piotto

Professor Pesquisador, Mestre em Educação, Especialista em Planejamento Educacional e Docência do Ensino Superior, Historiador e Pedagogo. Entusiasta da Educação.

Ver artigos

Platão e o Mito da Caverna

Em sua obra “A República”, Platão traz um diálogo entre Sócrates e Glauco sobre a teoria do conhecimento da verdade, onde ocorre a necessidade do conhecimento para rompermos com o medo das sombras. Na alegoria de Platão somos ignorantes frente a verdadeira realidade, considerando as sombras das coisas como as coisas de fato. Temos a necessidade de romper as sombras e olhar para a claridade, sem medo.

A sombra de Platão, uma analogia

A sombra é o temor da Humanidade em sair de seu espaço de conforto, é quando ficamos aprisionados, acorrentados em nossas crenças e verdades de um mundo dos cinco sentidos, único e real. Essa prisão nos permite ver apenas as sombras refletidas nas paredes de nossas verdades, formadas por movimentos de traz da fogueira não vista por nós. Essa crença não nos permite ver além das sombras, pois o ser humano tende a esquecer ou não entender o que é realidade ou o que é apenas aparência, são apenas sombras de uma ilusão na caverna que confunde a realidade. Essa forma de ver existe por uma necessidade, muitas vezes narcisista, pois o individualismo cria várias crenças para atender a própria necessidade, ou, sua própria crença.  

Hoje, nossa caverna

Atualmente estamos presos a informações em massa, uma chuva diária de opiniões rasas, sem ou com conhecimento superficial. Essas informações, em sua grande maioria, é inútil e leva a maioria das pessoas a regredir para a caverna, tornando as coisas sombras da caverna, sem permitir enxergarmos a realidade e não apenas sombras. Temos a necessidade urgente de aproveitarmos as informações para transforma-las em conhecimento, deixar a preguiça de pensar, buscando transmitir e repassar aos demais a realidade do que é palpável e visível, evitando reproduzir as sombras da caverna e fortalecer a ignorância. Podemos considerar como nossa caverna atual, as mídias sociais, televisão e os movimentos em massa. A preguiça intelectual que toma conta de nossa sociedade atual contribui para essa situação, uma sociedade que será conhecida como das notícias falsas, da preguiça ou da conveniência em não checar a confiabilidade das informações e suas fontes, talvez porque a sociedade do século XXI vive de forma que a vida de cada um tem maior importância do que preservar a sociedade em que vive.

Saindo da caverna através da educação

Cada vez mais a educação se apresenta como uma “aposta necessária tanto em termos de funcionalidade econômica, como de qualificação e de afirmação da dignidade” (ALVES, 2001, p. 90). Nosso momento está mostrando que podemos e estamos nos afastando da caverna, a necessidade da Escola em usar a tecnologia e as mídias sociais para o aprendizado nos trouxe uma luz, onde enxergamos a realidade e não apenas as sombras do medo e da incerteza. Junto com as novas práticas educacionais de aprendizagem, as escolas, professores, alunos e pais saíram da caverna, estão descobrindo que o grande monstro tecnológico era apenas uma sombra. A certeza é que a educação nunca mais será a mesma, comprovaremos que os alunos não aceitarão mais a aula comum, que sua criticidade e forma de aprender se desprendeu das salas de aulas e métodos tradicionais. Então, apesar das sombras do momento, se fez a luz para uma nova era educacional no Brasil.