Como sempre na História

Claudio Piotto

Professor Pesquisador, Mestre em Educação, Especialista em Planejamento Educacional e Docência do Ensino Superior, Historiador e Pedagogo. Entusiasta da Educação.

Ver artigos

Diálogos da História

Hoje vamos conversar sobre enxergar através da história da humanidade os feitos de governantes que superaram as crises em seus países e oportunizaram vidas melhores ao seu povo. O foco do artigo é buscar na história os acertos e erros da humanidade, e que, não existe fórmula mágica, apenas quando a ação do Estado seja feita com um único propósito, melhorara a vida de seu povo.

A sociedade

É a associação e acordos entre indivíduos compartilhando valores culturais e éticos, estando sob um mesmo regime político e econômico, em um mesmo território. Para que uma sociedade seja plena em seus atributos é necessário um convívio de respeito aos acordos para o bem comum.

E agora?

Essa pergunta está repercutindo em muitas cabeças, as incertezas que pairam sobre nossa “sociedade”. O pior em momentos de dificuldades, é a falta de caminhos a serem seguidos, essa situação historicamente ocasiona o caos social.

A deriva

Utilizada para determinar a falta de rumo ou desvio de uma rota, geralmente utilizada por aviões e embarcações marítimas. Em algumas sociedades, onde o caos de direcionamento ocorre, por crises econômicas, por falta de governos, por falta de um povo coeso, também podemos dizer que essa sociedade está à deriva, sem rumo.

A política

É uma ação de convívio organizacional para o bem-estar de uma sociedade. O político é o representante da sociedade, escolhido para garantir os direitos e necessidades dessa sociedade, pelo menos o princípio de sua criação é para tal.

Brasil

A história oficial dos invasores portugueses em 1500 descreve que após um período de calmaria, suas naus desviaram de seu destino pretendido e chegaram a terras “Brasílis”. Em tese estiveram à deriva e como um golpe de sorte encontraram uma terra “encantada”, a qual tomaram para eles.

As crises pelo mundo

A humanidade passou por vários momentos de crise e sempre conseguiu superar. Nas crises enfrentadas pela população mundial, algumas ações foram fundamentais para que superassem suas crises, entre elas as ações de responsabilidade do estado nação, que tomou para si a responsabilidade de gerir e proteger sua população, permitindo e criando condições para a recuperação social e econômica. Como exemplos temos, a crise de 1939, a gripe espanhola, a peste-negra, a Segunda Guerra Mundial, a crise do petróleo, entre outras.

Omissão

Em relação à atuação do Estado  em suas crises, só ocorre a superação quando o estado e seus representantes não se omitem, a história nos mostra que, esse fator faz a diferença entre o sucesso e o caos em uma crise. Quando o estado se omite o caos se torna generalizado, começa afetando os grupos sociais mais frágeis, piorando suas condições humanas de vida, cujo único objeto é a dominação e manipulação política através de supostas ajudas financeiras.

Exemplos de superação

A história nos mostra que a organização do estado pátrio quando assume sua responsabilidade de gerir seu povo e cumprir com seu papel, a superação é próspera e eficaz. Na crise 1939, por exemplo, o governo estadunidense criou ações econômicas para geração de trabalho e aquecimento da economia, além de rever sua política de impostos. Após a Segunda Guerra Mundial o Japão criou ações econômicas para geração de trabalho, reformulação e valorização da educação, como também a revisão na política de impostos. Nesses dois exemplos, fica claro que o papel do Estado é o único caminho para superar uma crise.