ARTIGO DO LEITOR

Nem consentir, nem calar

Não... Definitivamente calar não é consentir... Principalmente quando o companheiro é um agressor. Por vezes a vítima já está tão abalada emocionalmente que ela nem tem mais forças para argumentar o que quer que seja nem muito menos para lutar por seus direitos. E nos parece muito estranho quando um colunista de um jornal local, alguém inclusive com formação superior na área de humanas, demonstra não ter noção do que acontece com a vítima de violência doméstica, que aprisiona reféns em prol do seu bel-prazer, ou seria alguém desta naipe um sonso (pessoa que se faz de simplória)? São seres alienados e muito infelizes quando, ao invés de ajudar, já que supostamente detêm algum conhecimento, se põem na condição de julgar vítimas já tão sofridas. Não, não podemos nos calar diante deles!

Mesmo que as vítimas se sujeitem a passar por agressões (quer sejam verbais, físicas e até sexuais) por estarem na situação usufruindo de algum benefício, por mais que seja incabível para quem nunca passou nem precisa passar por isso, há todo um contexto histórico e cultural no que diz respeito ao grupo de vítimas e também um contexto pessoal, que deveria ser analisado por alguém que tem o poder de influenciar pessoas, antes deste se manifestar. A submissão das mulheres aos homens é um comportamento muito antigo e desconstruí-lo leva tempo. Não basta apenas à mulher empoderar-se. É preciso que a sociedade desperte sua consciência humanitária, que perceba e respeite as fragilidades, as diferenças e reconheça o valor de cada indivíduo.

E é tão triste ver alguém se manifestar como se elas merecessem sofrer, sofrer ainda mais! Neste contexto onde se põe em cheque a dignidade das vítimas, é bom explicarmos que dignidade significa muitas coisas: qualidade moral que infunde respeito; consciência do próprio valor; honra, autoridade, nobreza... Será que todas as mulheres têm consciência do seu valor? Será que elas não se sentem desvalorizadas desde pequenas? Cada uma tem uma história e muitas vezes as vítimas carregam consigo desde crianças uma história muito triste. Talvez o emaranhado e a demanda emocional com a qual elas tenham que lidar desde muito cedo seja enormemente difícil e pesado e elas nem mesmo consigam enxergar qualquer valor em si.

E é aí que entra o Coletivo Feminino de Jaraguá do Sul e Região, que busca também ajudar na recuperação emocional de quem não teve suas fragilidades respeitadas, para que elas tenham força novamente e consigam respeitar a si mesmas, exigindo também o devido respeito de quem porventura anda delirando que é mais do que elas... ou que elas são menos. Concordamos sim, que os pais devam ensinar às filhas a não aturarem nenhum tipo de desaforo e, mais do que ensinar, devem dar o carinho que toda criança precisa e, desta forma, estarão ensinando o tratamento que elas devem querer durante toda a vida delas, mas falar que uma mulher vítima de agressão é nojenta e não merece respeito, calma lá! Um absurdo desses é que não merece respeito, muito pelo contrário, merece a nossa mais profunda indignação.

Josimeri de Souza Coelho - Coordenadora do Coletivo Feminino de Jaraguá do Sul e Região

Notas

Partidos buscam mulheres para se lançarem em campanha - Com o veto às coligações proporcionais, partidos políticos têm feito uma corrida interna para ampliar o número de mulheres dispostas a se lançar em campanha. Como a nova regra obriga a partir deste ano que cada legenda tenha, de forma independente, ao menos 30% de nomes femininos nas urnas, partidos que não alcançarem esse percentual vão ter de barrar homens na eleição. Se a cota feminina não for alcançada, a lista de homens terá de ser reduzida na mesma medida e a chapa será então proporcional. Em eleições anteriores, quando a cota do gênero já estava valendo, mas o veto às coligações ainda não, os partidos se coligavam e valia a média de candidaturas femininas do bloco. Na prática, uma legenda podia salvar a outra. Agora é cada uma por si. E além de estabelecer uma percentagem mínima de candidaturas de mulheres, as regras eleitorais determinam que os partidos destinem ao menos 30% de sua verba do Fundo Eleitoral para as campanhas femininas. A corrida por mulheres candidatas está acontecendo em todos os partidos.

Escola de gastronomia organiza duas oficinas - O Chef Gourmet, escola de gastronomia sediada em Jaraguá do Sul, está organizando duas oficinas para capacitação de interessados no universo gastronômico. No dia 22, o chef e professor Gabriel Leoni fala sobre melhores cortes de legumes e verduras para várias preparações e também como congelá-los. Já nos dias 28 e 29, é a vez de a chef Dominique Conceição ensinar aos participantes os segredos da preparação de ovos de Páscoa. As inscrições podem ser feitas pelos telefones (47) 9 9115-8506 e 3055-0679. Para saber mais, basta acessar www.escolachefgourmet.com.br ou seguir as redes sociais da marca.

Secretaria de Saúde promove audiência pública - Os resultados do último quadrimestre serão apresentados à população pela Secretaria de Saúde de Massaranduba na segunda-feira (24), a partir das 9h30min, na Câmara de Vereadores. O relatório dará também os números consolidados do ano. A audiência é o meio pela qual a comunidade pode acompanhar a execução da programação anual da saúde relativos a 2019 e os principais detalhes sobre recebimentos e aplicação dos recursos financeiros e prestação de serviços.

CARNAVAL – O Clube Atlético Baependi promove no dia 25, terça-feira, o carnaval infantil a partir das 14h, com animação do Dj Xalinho e tendo como atração o Robô Led. No local haverá food truck. Evento gratuito para sócios e não sócios a R$ 5,00. Até cinco anos é livre.

Centenário realiza a festa de rei e rainha - A Sociedade Desportiva Recreativa Rio da Luz II – Salão Centenário, realiza no dia 22, sábado, a festa de rei e rainha com baile, a partir das 18h com a concentração dos sócios e uma hora depois a busca das majestades, Muriel Cristo e Jehnefen Tonello (rei e rainha), Natalício Shimanski, David Horongozo, Cecília Schimanski e Tânia Fischer (cavalheiros e princesas). Aldoir Oldenburg será o comandante. O baile começa às 20h30min com a Banda GBD, posteriormente o Grupo Chama e para finalizar a noitada, o Grupo Talagaço. O valor por participante é R$ 35,00 com direito ao buffet, duas horas de bebidas livre (cerveja, refrigerante e água) e impresso para o baile. Quem for apenas para o baile pagará R$ 15,00.