A incredulidade dos brasileiros com a pandemia

Sônia Pillon

Sônia Pillon é Presidente de Honra da ALBSC Jaraguá do Sul. Nasceu em Porto Alegre (RS), com formação em Jornalismo pela PUC-RS e pós-graduação em Produção de Texto e Gramática pela Univille (SC). 

Ver artigos

Por Sônia Pillon

Estudo divulgado pelo Instituto Ipsos traz uma constatação preocupante. De uma lista de 15 países, o Brasil é o segundo em que a população acredita menos na eficácia do isolamento social para impedir a propagação da Covid-19.

A pesquisa on-line ouviu 28 mil pessoas, em países como Canadá, EUA, Itália e China. O primeiro da lista é a Índia, onde 56% dos entrevistados declarou não considerar a medida eficaz no combate ao Coronavírus. A Alemanha também aparece empatada com o Brasil, com 54% de incredulidade em relação à orientação #fiqueemcasa. Em terceiro lugar vem o México (50%) , seguido por Japão e Rússia (49%).

E o que significa na prática esse descrédito na letalidade da pandemia? É muito fácil constatar. Basta ver o comportamento descompromissado dos que insistem em fechar os olhos para os riscos de contrair a doença. Negam a mortandade assustadora, mesmo com as subnotificações, seja pela falta de exames, cruzamento de dados divergentes, ou ainda pelo fato das vítimas não terem recebido atendimento em hospitais. Portanto, muitos estão à margem das estatísticas, sem confirmação oficial da causa mortis por covid-19.

E apesar de todos os esforços em alertar sobre a importância de se ter uma postura responsável, adotando cuidados indispensáveis, como uso de máscaras, intensificação da higiene das mãos e distanciamento mínimo entre as pessoas, há os que preferem ignorar os fatos. E o que é pior, criticam e ridicularizaram os cuidadosos, que buscam não somente se prevenir, como também evitar que outros se contaminem.

E não adianta dizer que essa é uma doença que mata somente cidadãos debilitados, de idade avançada e com comorbidades, moradores de favelas e pessoas em situação de rua: todos os dias nos deparamos com a morte de profissionais da saúde e jovens saudáveis que sucumbem ao coronavírus.

os defensores de que velhos não produzem mais, e que portanto são fardos para os sistemas de saúde e suas respectivas famílias. Triste constatação, resultante de uma sociedade materialista que não valoriza o legado dos que tanto contribuíram na construção de tudo o que temos hoje. Merecem o nosso respeito, reconhecimento e consideração.

Recentemente, ouvi uma pessoa dizer que considera as restrições sanitárias atuais “um exagero”. Me disse que só utiliza máscara porque é “obrigada” e defende que somente idosos devem ficar isolados em casa. Para ela, tudo o mais deve ser liberado, sem restrição, por causa do impacto econômico. “Tenho uma outra visão”, disse ela. “Para mim, se a pessoa morre, é porque estava na hora de morrer”, disse, com espantosa frieza. “Isso é tudo política!”, complementou. Olhando por esse ângulo, se cuidar para que? Preservar os pais, avós e todos os demais seguindo as indicações preventivas para que? Bobagem! Se for a hora de “bater as botas”… Estarrecida, me contive para não iniciar uma discussão. Seria perda de tempo argumentar com quem tem essa “visão”...

E é por isso que vemos aglomerações em locais públicos e espaços privados. Devem se sentir sentir blindados. Os posicionamentos e informações antagônicas que circulam sobre a pandemia também confundem parte da população. O que vai acontecer? O tempo dirá...

Notas

Partidos buscam mulheres para se lançarem em campanha - Com o veto às coligações proporcionais, partidos políticos têm feito uma corrida interna para ampliar o número de mulheres dispostas a se lançar em campanha. Como a nova regra obriga a partir deste ano que cada legenda tenha, de forma independente, ao menos 30% de nomes femininos nas urnas, partidos que não alcançarem esse percentual vão ter de barrar homens na eleição. Se a cota feminina não for alcançada, a lista de homens terá de ser reduzida na mesma medida e a chapa será então proporcional. Em eleições anteriores, quando a cota do gênero já estava valendo, mas o veto às coligações ainda não, os partidos se coligavam e valia a média de candidaturas femininas do bloco. Na prática, uma legenda podia salvar a outra. Agora é cada uma por si. E além de estabelecer uma percentagem mínima de candidaturas de mulheres, as regras eleitorais determinam que os partidos destinem ao menos 30% de sua verba do Fundo Eleitoral para as campanhas femininas. A corrida por mulheres candidatas está acontecendo em todos os partidos.

Escola de gastronomia organiza duas oficinas - O Chef Gourmet, escola de gastronomia sediada em Jaraguá do Sul, está organizando duas oficinas para capacitação de interessados no universo gastronômico. No dia 22, o chef e professor Gabriel Leoni fala sobre melhores cortes de legumes e verduras para várias preparações e também como congelá-los. Já nos dias 28 e 29, é a vez de a chef Dominique Conceição ensinar aos participantes os segredos da preparação de ovos de Páscoa. As inscrições podem ser feitas pelos telefones (47) 9 9115-8506 e 3055-0679. Para saber mais, basta acessar www.escolachefgourmet.com.br ou seguir as redes sociais da marca.

Secretaria de Saúde promove audiência pública - Os resultados do último quadrimestre serão apresentados à população pela Secretaria de Saúde de Massaranduba na segunda-feira (24), a partir das 9h30min, na Câmara de Vereadores. O relatório dará também os números consolidados do ano. A audiência é o meio pela qual a comunidade pode acompanhar a execução da programação anual da saúde relativos a 2019 e os principais detalhes sobre recebimentos e aplicação dos recursos financeiros e prestação de serviços.

CARNAVAL – O Clube Atlético Baependi promove no dia 25, terça-feira, o carnaval infantil a partir das 14h, com animação do Dj Xalinho e tendo como atração o Robô Led. No local haverá food truck. Evento gratuito para sócios e não sócios a R$ 5,00. Até cinco anos é livre.

Centenário realiza a festa de rei e rainha - A Sociedade Desportiva Recreativa Rio da Luz II – Salão Centenário, realiza no dia 22, sábado, a festa de rei e rainha com baile, a partir das 18h com a concentração dos sócios e uma hora depois a busca das majestades, Muriel Cristo e Jehnefen Tonello (rei e rainha), Natalício Shimanski, David Horongozo, Cecília Schimanski e Tânia Fischer (cavalheiros e princesas). Aldoir Oldenburg será o comandante. O baile começa às 20h30min com a Banda GBD, posteriormente o Grupo Chama e para finalizar a noitada, o Grupo Talagaço. O valor por participante é R$ 35,00 com direito ao buffet, duas horas de bebidas livre (cerveja, refrigerante e água) e impresso para o baile. Quem for apenas para o baile pagará R$ 15,00.