25.272 candidatos a vereador reeleitos em todo o país declararam que sua profissão é de vereador

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Nada menos que 25.272 candidatos a vereador reeleitos em todo o país, num universo de 47.490, declararam ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que sua profissão é a de ...vereador! Ou seja, segundo eles próprios, política é mesmo uma profissão, embora não (ainda e que ninguém duvide) reconhecida pelo Ministério do Trabalho.

De fato, por concessão do eleitor, há quem se perpetue nas Câmaras de Vereadores.

Em Jaraguá do Sul, por exemplo, Ademar Winter (PSDB) vai para o oitavo mandato. Em Palhoça, Nirdo Artur Luz (PSD), o “Pitanta”, foi reeleito para o 11º mandato consecutivo. É caso único no país, segundo a União de Vereadores do Brasil.

Pesquisa eleitoral

Última pesquisa eleitoral em Joinville aponta para uma terceira derrota consecutiva do deputado federal Darci de Mattos (PSD), que desde 2012 tenta ser o prefeito da maior cidade de Santa Catarina.

Adriano Silva (Novo), empresário da família fundadora do Laboratório Catarinense, teria 54,8%, contra 29,7% dados ao deputado, segundo o Instituto Paraná de Pesquisas. No início da campanha, as primeiras pesquisas apontavam Silva em quarto lugar.

O mesmo Instituto de pesquisas indica que, em Blumenau, o atual prefeito, Mário Hildebrandt (Podemos) tem larga vantagem sobre o ex-prefeito João Paulo Kleinübing (DEM): 59,2% do eleitorado contra 24,7% conferidos a JPK.

Hildebrandt está há dois anos no comando do Executivo. Assumiu com a renúncia do tucano Napoleão Bernardes, candidato a senador em 2018 na coligação PSDB/PSD/DEM, onde estava Kleinübing como vice de Gelson Merísio.

Licitação do transporte coletivo em Jaraguá do Sul

Desde que assumiu, em 2017, o prefeito Antidio Lunelli (MDB) tenta tirar do papel o processo de licitação do serviço de transporte coletivo urbano de passageiros.

Um novo passo, depois de outras tentativas inconclusivas, se deu na sexta-feira (20). Mas ainda vão se passar alguns dias para se saber se a concessão continua com a Viação Canarinho ou não.

Além de conferência minuciosa de tudo o que foi exigido no edital de licitação e do que foi proposto pelas empresas interessadas, também é preciso a concordância do Tribunal de Contas do Estado. Mas, já se pode dizer que, ao menos em 2021, não haverá reajuste das passagens. A tarifa máxima será de R$ 3,95. Esse processo já se arrasta por cerca de dez anos.

Auxílio federal para empresas de transporte coletivo

Municípios com mais de 200 mil habitantes terão auxílio federal para socorrer empresas de transporte coletivo urbano impactadas pela Covid-19.

O projeto de lei é do deputado federal Fabio Schiochet (PSL), já aprovado pela Câmara dos Deputados e Senado. No total, são R$ 4,8 bilhões.

Em Santa Catarina, têm direito - se o presidente Jair Bolsonaro sancionar a lei - Florianópolis, Joinville e Blumenau.

Explica-se: as empresas concessionárias cobram indenizações das prefeituras (em todos os municípios) porque, com a suspensão dos serviços, amargaram prejuízos irrecuperáveis. Ou seja, o contrato vigente foi rompido unilateralmente, por conta de decretos do governo do estado acatados pelos municípios.

O direito a indenizações, no caso em tela, é inquestionável. Em Jaraguá do Sul, um aporte de R$ 340 mil foi repassado à Viação Canarinho em junho.

Projeto com o orçamento do Estado para 2021 está tramitando na Assembleia Legislativa prevendo uma arrecadação total de R$ 30,5 bilhões e despesas de R$ 32,1 bilhões. Ou seja, déficit de R$ 1,6 bilhão.

Com reflexos diretos em projetos de prefeitos, eleitos e reeleitos, que vão depender de recursos da esfera estadual para tirá-los do papel.

 

Receba as notícias do JDV no WhatsApp!