Meio Ambiente

Pré-Núcleo Vale do Itapocu da Rede Ecovida reunido em Jaraguá

Foto: FJBrugnago

O salão da Igreja Luterana Cristo Redentor, no Jaraguá 99, foi a sede no dia 23 de junho, do 2º Encontro de Produtores do Vale do Itapocu da Rede de Agroecologia Ecovida. O Pré-Núcleo Vale do Itapocu, vinculado ao Núcleo Litoral Catarinense é composto por oito grupos, sendo dois em Jaraguá do Sul – Agroecologia Jaraguá e Agroecologia Garibaldi -, três em Joinville, um em Guaramirim (abrange também Araquari e Massaranduba), um em Camboriú e um em Campo Alegre, envolvendo 46 propriedades, além de duas agroindústrias e dois técnicos.

De acordo com o coordenador do Pré-Núcleo Vale do Itapocu, Alexandre Reichel, que tem propriedade no Rio do Júlio, em Joinville, com produção de cogumelo, mel e ovo caipira, este deve se tornar independente no segundo semestre, desmembrando-se do Núcleo Litoral Catarinense, como já foi deliberado. No Encontro havido no domingo (23) no Jaraguá 99, houve exposição e venda da produção de integrantes do Núcleo voltados à prática orgânica.

Um dos momentos que marcou a abertura foi a entrega do Selo da Ecovida, renovado anualmente. A Rede Ecovida de Agroecologia é pioneira no desenvolvimento da certificação participativa, metodologia de verificação da conformidade, conhecida também como Sistema Participativo de Garantia.

A certificação de conformidade se dá em torno do produto orgânico e a credibilidade é gerada a partir da seriedade conferida a todo o processo, partindo da palavra da família agricultora e se legitimando socialmente, de forma acumulativa, nas distintas instâncias organizativas que a família integra.

Posteriormente a entrega dos certificados aconteceu palestra sobre aposentadoria rural após a reforma previdenciária, Caepf, e-Social e e-Origem, oficinas barreiras, PANCs, oficina de compostagem com crianças, microrganismos, oficina de fibra de bananeira com a Associação Tramas em Fibras e conversa sobre o CSA Brasil.

O café de recepção e de encerramento, assim como o almoço, foi orgânico. Os grupos participantes tiveram a oportunidade de expor e de vender seus produtos voltados à prática da agricultura orgânica.

Produção orgânica e cooperação são à base do trabalho do Núcleo

A Rede Ecovida tem como principal lema a geração de alimentos orgânicos produzidos fora do processo de mecanização do campo, sem uso de insumos industriais e alteração genética de sementes, com objetivo de trabalhar em favor da agroecologia. A Ecovida une diversas organizações e grupos no desenvolvimento de ações para incentivar e fortalecer a agricultura familiar de produtos orgânicos por meio de uma certificação reconhecida pelo Governo Federal.

Ela funciona de maneira descentralizada e está baseada na criação de núcleos regionais, que reúne membros de uma região com características semelhantes, que facilita a troca de informações e a certificação participativa, como a ocorrida no domingo, em Jaraguá do Sul. Com o desmembramento do Núcleo Litoral Catarinense, o Pré-Núcleo Vale do Itapocu se tornará independente até o final de 2019.

Ele surgiu em 2016 e conta com 46 famílias certificadas, duas agroindústrias e dois técnicos atuando. A Rede Ecovida, a qual está vinculada, conta com mais de 4,5 mil famílias e em torno 340 grupos no Sul do País, além de ONGs e organizações de agricultores constituídos. Os produtos são comercializados em feiras livres e outras formas de venda.

O coordenador do Pré-Núcleo, Alexandre Reichel, informou que no Vale do Itapocu, a maior parte dos agricultores agroecológicos se dedica ao plantio e venda de produtos vegetais. Os integrantes da Rede Ecovida desenvolvem experiências concretas de organização social, produção e comercialização de alimentos sem agroquímicos sob o princípio de respeito ao meio ambiente, de solidariedade, cooperação, resgate da cultura local e de valorização das pessoas e da vida.

O Encontro de domingo, apoiado pela Prefeitura, teve a presença do secretário Daniel Peach e do presidente da Câmara, Marcelindo Gruner, que é técnico agrícola e servidor da pasta.