Coronavirus,Estadual,Saúde

Deputados estaduais cobram informações sobre leitos de UTI para Covid-19 em SC

Os deputados estaduais cobraram do governo de Santa Catarina, na sessão virtual desta quarta-feira (22), mais informações a respeito da disponibilidade de leitos de UTI para o enfrentamento da pandemia do coronavírus em Santa Catarina. Os parlamentares aprovaram nove proposições, entre requerimentos, pedidos de informação e indicações, sobre o assunto.

“Tenho dúvida quando o governo anuncia investimentos, mas não diz onde esses leitos vão ser disponibilizados. Pelo que sei da direção do hospital de Concórdia, aqui não houve investimentos ainda”, afirmou o deputado Moacir Sopelsa (MDB).

Ada de Luca (MDB) também cobrou transparência nas informações. “Somos questionados aqui na base sobre as UTIs e não temos as informações. Ficamos sabendo pela imprensa”, disse. Sargento Lima fez as mesmas críticas.

Os deputados pediram ainda que haja mais colaboração entre o governo do Estado e os prefeitos. Dr. Vicente Caropreso (PSDB) afirmou que prefeitos e governador devem ser parceiros, principalmente agora que boa parte das atividades não essenciais foram reabertas em todo território catarinense.

“Nem tudo está negativo aqui no estado. Temos um dos menores índices de letalidade no Brasil”, informou. “Mas isso não é motivo para comemorar. Temos que ficar de olho nesses índices, principalmente depois da reabertura do comércio. É hora do governador ser parceiro dos prefeitos e os prefeitos parceiros do governador.”

Paulo Eccel (PT) criticou o relaxamento das medidas de isolamento social no estado. Ele afirmou que os números de casos e de mortes em Santa Catarina estão em ascensão. “A preocupação com a sociedade está relegada a zero”, disse.

O parlamentar também repercutiu nota oficial da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) com queixas sobre a falta de informações sobre a doença por parte do Estado. “Os municípios não têm acesso aos estudos nos quais o Estado se baseia. Eles não são ouvidos, ficam sabendo de tudo pela imprensa. Não é possível conceber uma situação dessas, num momento em que é necessária união”, declarou Eccel.

Coronel Mocellin (PSL) afirmou que a liberação do comércio levou em conta o fato de que 17% dos leitos de UTI destinados à Covid-19 estão ocupados. Para ele, a reabertura das atividades não essenciais, com regras, permite ao Estado socializar as decisões sobre o isolamento com os municípios.