POLÍTICAS & POLÍTICOS 05.06.2019

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

O ato é simbólico e não terá o impacto que o fechamento da Rua Carlos Oechsler, que serve de acesso a Jaraguá do Sul, causaria ao tráfego de veículos vindos de Massaranduba e vice-versa. Mas a comemoração dos 108 dias de interdição da SC-108, a contar de 18 de fevereiro passado, com um bolo de aniversário, já é sinal de que nem todos dormem a sono solto diante de um problema que causa transtornos diários há mais de três meses. Seja para os moradores da região, seja para a Prefeitura que tem gastos extras na manutenção da rua e, mais ainda, no custo da logística de transporte, já que o percurso torna-se maior para muita gente cujo destino é outro. Mas, perguntar não ofende, se é que alguém pode responder: já tem projeto, quando começa, quanto custará, quem vai fazer e o que, afinal, será feito ali?

 

 

Unanimidade - Embora o ranger de dentes entre os grupos de Celso Maldaner e Dario Berger, o MDB catarinenses vota na senadora Simone Nassar Tebet (MS) à presidência do diretório nacional do partido. Seria a primeira mulher no cargo. Mas se o lendário ex-senador Pedro Simon (RS) se candidatar, apoiam o gaúcho símbolo do MDB. A ideia é derrubar a cúpula que manda no partido há décadas como, por exemplo, o senador Romero Jucá, presidente atual e amigo pessoal de Michel Temer.

Pois é - Para quem ainda não sabe: aqueles R$ 25 milhões (por enquanto) apurados pela Polícia Federal em fraudes contratuais praticadas no âmbito da secretaria estadual da Agricultura e Empresa de Pesquisa e Extensão Rural, a Epagri, não é roubalheira recente. Vem desde o governo de Luiz Henrique da Silveira (MDB), passando por Leonel Pavan (PSDB), Raimundo Colombo (PSD) e Pinho Moreira (MDB). É claro que eles não sabiam de nada, não é mesmo?

Sem mudanças - Diretoria de Trânsito recuou da decisão de criar um binário em trecho entre as Ruas 25 de Julho e Marina Fructuozo. Chegou-se à conclusão (felizmente) de que tal mudança provocaria congestionamentos gigantes em uma das cabeceiras da Ponte Tavares Sobrinho, no acesso à Coronel Procópio Gomes de Oliveira. Recente medição apontou a passagem diária, em média, de12 mil veículos pela 25 de Julho (foto).

Polícia rodoviária - Projeto do deputado Sargento Lima (PSL) propõe que 10% das vagas em concurso em instituições militares sejam destinadas à Polícia Rodoviária Estadual. Números de 2017 mostram 1.554 mortes por acidente de trânsito em Santa Catarina. Quase metade (44,3%) das vítimas eram adultos jovens, entre 20 e 39 anos. Mais fiscalização evitaria muitas destas mortes, entende o deputado.
Fundo rodoviário- Criação do Fundo de Manutenção e Conservação das Rodovias Estaduais consta de projeto de lei do deputado Altair Silva (PP). Destinando recursos exclusivos para a manutenção e conservação das estradas catarinenses. Mantido com 10% do valor do IPVA, 10% da receita com multas e da receita com a exploração comercial de espaços publicitários nas faixas de domínio. E, ainda, com parte das sobras orçamentárias da Assembleia Legislativa, Judiciário, Tribunal de Contas e outros poderes sustentados pelo contribuinte.

Consórcios - Em pelo menos 18 estados, incluindo Santa Catarina, o sistema de consórcios com os municípios está em fase de implantação. De fato, ao invés de o Estado arcar com tudo quando se trata de manutenção de rodovias estaduais que cortam os municípios, por exemplo, a conta é repartida. E todos ganham. Simples assim. A ideia não é nova, mas só agora ganha corpo e sabe-se lá por que. Ou será que nós sabemos? Hein?


No STF - Manifestações furiosas contra sugestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de se nomear um ministro evangélico para o STF. Na verdade, a contrariedade não se dá pelo fato de o presidente ser, também, evangélico. Na verdade, tem outro foco: quando candidato, Bolsonaro prometeu limpar o aparelhado STF nas nomeações que lhe couberem. Aliás, é exatamente o que a imensa maioria dos brasileiros quer. É só perguntar.


Pelo “sim” - Esperidião Amin (PP), Dário Berger (MDB) e Jorginho Mello (PR), os três senadores catarinenses, votaram a favor da Medida Provisória 871, que prevê verdadeiro pente fino no Instituto Nacional de Seguridade Social visando combater fraudes contra o sistema. Em 2018, somando-se roubos e inadimplentes históricos nunca executados por governo nenhum, o déficit bateu na casa dos R$ 195,2 bilhões.