POLÍTICAS E POLÍTICOS 26.07.2019

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

O ranking de gastos - Segundo o site “Congresso em Foco”, atualizados até segunda-feira (22), o deputado Fabio Schiochet (PSL/Jaraguá do Sul) liderou a lista de gastos dos 16 deputados federais catarinenses no primeiro semestre do ano: R$ 200.354,88. Depois aparece Darci de Matos (PSD/Joinville) com R$ 193.923.40 e Pedro Uczai (PT/Chapecó) com R$ 170.359,40; Daniel Freitas (PSL/Criciúma) com R$ 169.062,84; Celso Maldaner (MDB/Chapecó) R$ 156.858, 58; Geovania de Sá (PSDB/Criciúma) R$ 148.428,25; Ângela Amin (PP/Florianópolis) R$ 138.060,60; Rogério Peninha Mendonça (MDB/Ituporanga) gastou R$ 135.627,37; Carlos Chiodini (MDB/Jaraguá do Sul) R$ 133.418,75; Carmem Zanoto (Cidadania/Lages) R$ 119.494,19; Hélio Costa (PRB/Florianópolis) R$ 95.193,40; Rodrigo Coelho (PSB/Joinville) R$ 90.342,95; Ricardo Guidi (PSD/Criciúma) R$ 84.130,65; Coronel Armando (PSL/Joinville) R$ 52.760,02; Carolini de Toni (PSL/Chapecó) R$ 39.356,44 e Gilson Marques (Novo/Pomerode) com R$ 26.694,97.

Darci de Matos (PSD/Joinville) - R$ 193.923.40

Pedro Uczai (PT/Chapecó) - R$ 170.359,40

Na Câmara dos Deputados, com 513 parlamentares, o PT, com 54 deputados, lidera os gastos entre as bancadas nestes primeiros sete meses do ano, totalizando R$ 8.669.915,51. Depois aparece o PSL (27) com R$ 5.763,869,00; PP (39) com R$ 5.640.626,00; PL (39) que gastou R$ 5.600.657,00; MDB (34) com R$ 4.938,00; PRB (31) com R$ 4.484,977,00, o PSDB (30) com R$ 4.351,00 e o PDT (27) com R$ 4.227.647,00. Depois vem o PSB (32) com R$ 3.987,00 e o DEM (28) que gastou R$ 3.663,00. Os partidos restantes, com bancadas entre oito e 11 deputados, registram gastos entre R$ 1.500.000,00 a R$ 56.350,12.

São gastos com passagens aéreas, telefones, combustível, aluguel de carros, publicidade, hospedagem, alimentação, despesas com gráficas, entre outras coisas, reembolsados no limite de R$ 45.612,00/mês. Só em 2019, mais de R$ 84 milhões, incluindo os 81 senadores. Para o reembolso, bastam notas fiscais ou recibos de serviços. Cada deputado recebe, ainda, R$ 111,67 mil/mês para contratar até 25 assessores, cujas despesas médicas também são reembolsadas. No Senado, cada parlamentar tem, em média 55 assessores, que de janeiro a julho custaram R$ 11 milhões. Além do auxílio-moradia, nos dois casos, que já bateu na casa dos R$ 3,7 milhões.

 

Enfrentamento - Lideranças regionais do PSL, especialmente de Florianópolis e Criciúma, “peitam” o governador Carlos Moisés por conta da indicação de nomes de candidatos do partido a prefeito em 2020. O governador quer indicar 15 nomes sem qualquer avaliação do partido, em articulação prevendo campanha à reeleição em 2022.

Denúncia - Ex-prefeito de São Ludgero, região de Tubarão, o deputado estadual Volnei Weber (MDB) foi denunciado ao Ministério Público. Acusado de receber dinheiro para a campanha de servidores comissionados daquela prefeitura, o que é proibido. E que as doações teriam sido feitas por gente nomeada por ele quando prefeito. O deputado disse que não sabe da nada.

Bruno Souza

E não é? - Na voltado recesso de julho (férias) o deputado Bruno Souza (sem partido) vai apresentar emenda ao novo Código de Vigilância Sanitária de SC. Propondo que a concessão do alvará sanitário tenha prazo de validade maior, doas atuais 12 para 24 meses. E que estabelecimentos considerados como de baixo risco sejam isentos deste exigência. A ideia central é incentivar o empreendedorismo. “No Brasil o empreendedor não enfrenta apenas o risco de mercado. Enfrenta o risco de Estado, da burocracia, político, que espalham ineficiência do poder público, com reflexos no mercado. Em vez do empreendedor pensar no produto, no cliente, em vendas, tem que se preocupar com papéis, filas, carimbos, processos e procedimentos burocráticos”, reclamou o deputado.

Preterido pelo grupo do ex - Deputado Mauro Mariani (MDB) na disputa pelo governo do Estado EM 2018, o prefeito de Joinville, Udo Döhler, foi convidado pelo senador Jorginho Mello a se filiar no PL, onde já esteve. Ainda ruminando ressentimentos, não disse “não”. O senador tem como primeira suplente Ivete Appel da Silveira (MDB), viúva do ex-senador Luiz Henrique da Silveira (MDB) e mentor da candidatura de Udo a prefeito em 2012.

No PSD - Sem partido desde fevereiro, depois de amargar derrota massacrante como vice na chapa majoritária encabeçada por Mauro Mariani (MDB) em disputa pelo governo do Estado, o ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, vai para o PSD. O deputado estadual Milton Hobbus, também presidente estadual do partido, diz que a filiação de Bernardes é certa. Com filiação dia 6 de agosto. Com aval de Raimundo Colombo, Jorge Bornhausen e Júlio Garcia, presidente da Assembleia Legislativa.

Heinz Bartel

Em reformas - Inaugurado em 2007 no governo do prefeito Moacir Bertoldi, o Portal Turístico Germânico Heinz Bartel (e só assim denominado em junho do ano passado), no Rio Cerro 2, passa por reformas. A área, com 107m2 em dois pisos, na prática nunca teve a serventia imaginada à época. Abandonado até pouco tempo, foi reativado como local de recepção a turistas, porém precisa de melhorias. A estrutura é parte de um projeto global nunca executado, com outros dois portais: um em Nereu Ramos, focando na etnia italiana e outro próximo à WEG, na Waldemar Grubba, homenageando o trabalhador. Heinz Bartel foi vereador em Jaraguá do Sul por três mandatos consecutivos, entre de 1973 e 1988. E funcionário da Chocoleite por 35 anos.