POLÍTICAS & POLÍTICOS 07.06.2019

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Além de um punhado de vereadores e o prefeito de Guaramirim, Luís Antônio Chiodini (PP) particularmente interessado em uma solução rápida para a SC-108, deputados, empresários e lideranças comunitárias e os próprios moradores da Vila Freitas ignoraram olimpicamente o protesto convocado pelo presidente da Câmara de Jaraguá do Sul, Marcelindo Gruner (PTB). Ciumeira política? Pouca divulgação? Compromissos mais importantes? Horário impróprio? Sabe-se lá. Paradoxalmente, os ausentes são os que mais vociferam contra a inércia do governo. Incluindo os que cobram a presença do governador Carlos Moisés (PSL) e de seu governo na região.

Reação - Um vídeo produzido pelo JDV e postado no site oficial do jornal na quarta-feira (5), até as 8 horas da manhã de ontem (6) já havia sido visto por 7.099 pessoas, visualizado por outras 4.200, com 78 compartilhamentos. O que evidencia, de forma bastante clara, o incômodo e os prejuízos causado pela inoperância do governo. Entre os muitos comentários, Cristiana Poltronieri, ex-gerente regional da Educação, opinou que “o tempo que perdem cortando bolo e acendendo velas deveria ser usado para bater na porta do governador. Muito papo e pouca ação”.

Vai esperando - É exatamente isso que o JDV defende. Não fosse manifestação de repercussão nacional, envolvendo políticos, empresários, lideranças populares, sindicatos e total engajamento da imprensa, a duplicação da BR-101 Norte não seria feita no governo de Fernando Henrique Cardoso. Foi preciso bater à porta dele, em Brasília. E com força! Ainda assim, começou em 1997, foi inaugurara em 2003 e até hoje, 22 anos depois, ainda não está concluída. O Vale do Itapocu deu 108 mil votos para Moisés, elegeu três deputados e a recíproca, até agora, é nada.

Economia pra quem? - De quando em vez se lê que o uso de lâmpadas do tipo LED representa economia significativa para a Prefeitura de Jaraguá do Sul no quesito manutenção, comparado às lâmpadas a vapor de sódio, além de mais potentes. De fato. Mas no bolso do consumidor de energia elétrica, a economiza é zero. E, ao contrário, custa caro. Exemplo: R$ 12,85 de taxa de iluminação pública sobre conta de R$ 118,00. Nessa escala, sempre crescente, isso ainda vai dar lucro.

Rotativo - Vereador Ronaldo Magal (PSD) quer liberação do estacionamento rotativo em horários de almoço, das 12h às 13h. Sem cobrança para quem vai buscar os filhos em escolas do Centro e, obviamente, quem usa carro para ir ao restaurante preferido. O que vai exigir alteração no contrato com a empresa Estapar. Em Joinville são quase mil novas vagas no sistema rotativo a custo zero por até duas horas. Custa ir até lá ver como funciona e se é possível ou não fazer aqui?

Rotatória - Moradores do Bairro Santo Expedito, em Guaramirim, são signatários de abaixo-assinado para o governador Carlos Moisés (PSL) pedindo uma rotatória segura no entroncamento das Ruas Ervino Hanemann, Lauro Zimmermann e BR-280. Ou que a Prefeitura o faça. Ali onde se anunciou a construção de elevado orçado em R$ 42 milhões cuja obra parou nem bem havia começado. Vão esperando, vão esperando.

Segurança? - Projeto do deputado Fernando Krelling (MDB/Joinville), institui a Semana Estadual de Segurança nas Escolas. Para integrar ações de educação e segurança pública visando o aprimoramento da segurança nas escolas de SC. Mas, aprimorar o que não existe? Ou tem por aí uma única escola que seja onde professores, funcionários e alunos estejam, de fato, seguros durante as aulas? Ao contrário, é o caso, sim, de se pedir que, finalmente, o Estado se preocupe com isso.

Resposta - Este ano e até agora, o senador Jorginho Mello (PL) foi o único que se “coçou”. Em emenda parlamentar, repassou R$ 390 mil para hospitais de Jaraguá do Sul. E promete mais a outros setores, como recíproca dos 25 mil votos que levou daqui.

Prevenção - Presidente estadual do PSDB e ex-deputado federal, Marco Tebaldi (Joinville), por recomendação médica fará exames de avaliação do coração e próstata (luta contra um câncer) no Hospital Sírio Libanês (SP).Tebaldi foi internado esta semana com a pressão arterial a mil.

O duodécimo 1- Por motivos óbvios, o relator da Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa, Marcos Vieira (PSDB), votou contra proposta do governador Carlos Moisés (PSL) de reduzir em 10% o duodécimo (verbas anuais) para o Judiciário, Tribunal de Contas, Ministério Público Estadual, Udesc e à própria Assembleia. Baseou-se na “indignação” dos outros órgãos sustentados pelo contribuinte, que consideraram a proposta inconstitucional. Os repasses representam 21,88% da receita líquida do Estado. O corte geraria economia de R$ 400 milhões.

O duodécimo 2 - Em oito anos (2011 a 2017) foram repassados R$ 18,7 bilhões a estes órgãos. Como devolução obrigatória das sobras do ano ao governo do Estado, R$ 558 milhões. Em 2018 os repasses bateram na casa dos R$ 3,959 bilhões, 7,94% a mais que no ano anterior. O governo argumenta que o cenário econômico para 2020 é de recuperação lenta para todo o país. Em tempo: este ano o Estado projeta um rombo orçamentário mínimo de R$ 1,2 bilhão.

Feriados - Exceto Carnaval, Natal e 7 de Setembro, feriados nacionais entre terças e sextas-feiras serão adiantados para as segundas-feiras. É o que diz projeto do senador Dário Berger (MDB) aprovado pelo Senado e que segue para apreciação da Câmara dos Deputados. É sonho antigo do setor industrial, sempre obrigado a interromper a produção por conta de feriados no meio da semana. E, da mesma forma, bom para o trabalhador, que emenda o fim de semana.