POLÍTICA & POLÍTICOS 05.07.2019

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Reação 1 - O voto contrário de dois vereadores da base parlamentar do prefeito Antidio Lunelli (MDB) ao projeto do Executivo pondo fim ao ponto facultativo entre os dias 24 de dezembro e 1º de janeiro, já teve resposta. Até ontem (4), pelo menos oito servidores indicados por eles para cargos comissionados já haviam sido demitidos sumariamente.

Reação 2 - E, pelo andar da carruagem, segundo observadores do Paço, a lista é grande. A folga foi incluída no Regime Jurídico Único dos servidores municipais efetivos em novembro de 2014. Gestão do ex-prefeito Dieter Janssen (PP). Na época, presidia a Câmara a vereadora Natália Lúcia Petry (MDB), atual secretária de Cultura, Esporte e Lazer. E que votou a favor.

Piorando - Disse o general Antônio dos Santos Leite Filho, diretor geral do DNIT, aos deputados federais catarinenses: em 2020, daqui a seis meses, só 11% das 14 rodovias federais que cortam o Estado (entre elas a BR-280) estarão em boas condições de uso. O resto, uma buraqueira só, com sinalização precária, trânsito intenso e, consequência disso, acidentes e mortes. Vão consertar? Não. Mas ao menos o ministro foi sincero.

No pedal - Está em processo de ressureição a proposta de se construir uma malha cicloviária de 500 quilômetros, ligando Jaraguá do Sul a municípios vizinhos e que, obrigatoriamente, terão de ser parceiros do projeto incluído no Plano Municipal de Turismo de JS. Desejo antigo de centenas de pessoas que usam a bicicleta como meio comum de locomoção, ou lazer. Algo parecido foi suscitado há cerca de seis anos. Mas ficou no papel.

Caótico - Vereador Jaime Negherbon (MDB) pede mudanças no entroncamento das Ruas Manoel Francisco da Costa e Olga Rohweder da Costa, com construção de uma rotatória e onde o trânsito é infernal quase que o dia inteiro. Aliás, a readequação do projeto do viaduto da Avenida Waldemar Grubba se deu exatamente pela necessidade futura de alargamento do principal acesso a Schroeder. Mas, nessa direção ainda não se deu um passo sequer.

 

Linguado 2 - Em 1935 foi concluído o aterro que interrompeu a ligação do Canal do Linguado com o mar, retirando de São Francisco do Sul a denominação de ilha. Na região, grandes áreas de mangues que “secaram” foram loteadas e ocupadas com construções. Não poucos governadores eleitos em passado recente prometeram reabrir o canal, o que nunca aconteceu. O aterro interrompeu o fluxo da maré de um dos lados do canal, interferindo diretamente na reprodução de 70 espécies marinhas. Além de contínuo assoreamento.

Linguado 3 - Por isso, um grande público de toda a região é esperado no auditório da Associação Empresarial de Joinville na segunda-feira (8) para ouvir explanações do Ministério Público Federal sobre ações envolvendo o Canal do Linguado, cortado pela BR-280 que liga Joinville, Araquari, Barra do Sul e São Francisco do Sul. Por conta dos impactos ambientais em 80 anos, o MPF moveu ação na Justiça pedindo a reabertura do canal. O impasse sobre o que fazer ali fez com que a duplicação da 280 no trecho não incluísse a construção de uma ponte.